DTM e Bruxismo: mais um olhar na relação

🔴 Mais um artigo sobre a relação entre Bruxismo e DTM saiu! 

👉🏻Muzalev, van-Selms e Lobbezoo em artigo recentemente publicado.

🧐 Investigaram se existe uma relação dose-dependente entre a intensidade de dor relacionada a DTMs 🏧e a frequência do auto relato de bruxismo 😬 (do sono e da vigília) em um grupo de pacientes com DTM dolorosa. 

✔️Para isso selecionaram 768 pacientes onde, 293 que foram diagnosticados com pelo menos um tipo de DTM dolorosa. 

🤔Os resultados apontaram que  testes de correlação de Spearman não forneceram correlação significativa entre a frequência de bruxismo do sono e a intensidade de dor. 😱Por outro lado, o auto relato de bruxismo da vigília correlacionou-se positivamente 👍🏻com a intensidade da dor na DTM; no entanto, ❌ esta última correlação foi perdida quando o modelo foi controlado para os efeitos da depressão.🤯

👉🏻Assim, os autores concluíram que a suposição de que existe uma associação dose-dependente entre o bruxismo e a dor da DTM, onde quanto mais bruxismo, mais sobrecarga e, portanto,  mais dor, não poderia ser justificada. 👊🏻

🔺Parece que o caminho para entender a presença de uma DTM dolorosa vai mesmo além da hiperatividade muscular! 

💡Observem outros fatores sempre!

#ficaadica

🔺Quer saber mais sobre Bruxismo😬? 

👉🏻Estaremos em Campinas no dia 08/12 com o curso Dia do Bruxismo! 🍾🍾🍾

Inscrições e informações: www.diadobruxismo.com

🔺Quer estudar mais DTM, 🏧,Bruxismo e como estão relacionados? 

👉🏻Venha participar do curso de Atualização ou Especialização do Bauru Orofacial Pain Group, coordenado pelo professor Paulo Conti! Ministro a aula completa por lá! 😊 Link bit.ly/cursoDTM para mais informações! 

Referência: 

Muzalev K, van Selms MK, Lobbezoo F.J 

No Dose-Response Association Between Self-Reported Bruxism and Pain-Related Temporomandibular Disorders: A Retrospective Study. Oral Facial Pain Headache. 2018 Fall;32(4):375-380. 

Ah! Lembrando que a relação entre bruxismo e DTM é tema da palestra que irei ministrar no IV Congresso Brasileiro de Dor Orofacial em abril no ano que vem!!

Sim! Vou falar! \o/

Se você for participar, aproveite o desconto até 15/12/2018! Informações no site: www.sbdof2019.com.br

confirmados.015

Rapidinhas -artigos gratuitos na revista Pain

Olá pessoal!

Feliz dia dos Dentistas (antes tarde do que nunca, não é mesmo?)!

Passando rapidinho por aqui para contar que na revista Pain há vários artigos gratuitos na edição de novembro/2018!

Duas dicas:

Novo artigo do estudo OPPERALong-term changes in biopsychosocial characteristics related to temporomandibular disorder: findings from the OPPERA study.

Artigo sobre dor neuropatia – porque nos estudos randomizados os medicamentos perdem a eficácia (assisti esta aula no Japão em 2016!): Neuropathic pain clinical trials: factors associated with decreases in estimated drug efficacy

E para quem quiser ver toda a edição: Revista Pain – November 2018

Abraços a todos!!

dia do dentista2.001

Suplemento da Revista Pain – palestras do Congresso Mundial de Dor!

Ainda na vibe do Congresso Mundial de Dor organizado pela IASP, encontrei para baixar gratuitamente o suplemento da revista Pain com os textos referentes às plenárias principais apresentadas semana passada em Boston.

Excelente!!

pain.001

Eu destaco 4 que gostei: estratificação em dor neuropática, sobre dores trigeminais, saúde mental (a aula foi sensacional) e a de exercícios físicos!

Para baixar, ler e guardar, clique aqui!

#ficaadica

Congresso Mundial de Dor – IASP

Ainda estou sob o impacto do Congresso Mundial de Dor da IASP – 2018 que aconteceu em Boston nos Estados Unidos na última semana! Foi sensacional poder assistir a palestras bacanas, estar com amigos queridos (a delegação brasileira de Dor Orofacial arrasou este ano!), acompanhar as atualidades e conseguir apresentar os trabalhos!

Eu vou gravar alguns vídeos com o que mais achei interessante, mas enquanto o tempo não me ajuda a fazer isso, vejam a iniciativa bacana do site Pain Research Forum: 12 participantes, pesquisadores, fizeram resumos dos acontecimentos e palestras em todos os dias do evento! E para ler e se inteirar do que foi dito por lá, basta CLICAR AQUI!

#ficaadica

 

 

II CORE Brazil 2018

WhatsApp Image 2018-08-21 at 10.25.34.jpeg

Nos dias 30/11 e 01/12/2018 acontecerá na Faculdade de Odontologia de Bauru, Universidade de São Paulo – FOB-USP- o II Colloquium on Oral Rehabilitation, evento realizado em parceria com o Journal of Oral Rehabilitation.

O tema este ano é “Implantes Dentários – além da osseointegração”. Serão dois dias de extensa programação com participação internacional dos professores Peter Svensson (Dinamarca), Reinhilde Jacobs (Bélgica), Mats Trulsson (Dinamarca) e Barry Sessle (Canadá) e dos professores da FOB-USP: Paulo Conti, Leonardo Bonjardim, Estevam Bonfante, Gustavo Garlet e Yuri Costa.

Será uma grande oportunidade de discutirmos juntos assuntos tão importantes para nossa prática clínica e também para pesquisa. 

Estamos nos preparando para recebê-los de uma maneira muito especial aqui na FOB-USP!

Investimento:

Profissionais: R$ 500,00

Pós graduandos/Aluno curso especialização: R$ 300,00

Inscrições: FUNBEO

Depósito Bancário

Banco Santander

Agencia 0004

Conta Corrente 13008054-1

CNPJ 50839620/0001-97

IMPORTANTE: Enviar comprovante de depósito e identificação para rosi@funbeo.com.br

VAGAS LIMITADAS

Realização

Journal of Oral Rehabilitation

Faculdade de Odontologia de Bauru-USP

Bauru Orofacial Pain Group

Apoio

EMS Farmacêutica

FUNBEO

#ficaadica

Neuralgia do Trigêmeo – conceitos atuais

Olá!

Sexta feira ministrei novamente o curso Odontalgias não Odontogênicas na Imajon Cursos em Campinas e mais uma vez falei sobre a Neuralgia do Trigêmeo e como os clínicos confundem esta condição com dores odontogênicas, o que faz com que os pacientes sejam submetidos a tratamentos desnecessários.

nt.001

O ideal é conhecer bem as características desta condição, como realizar o diagnóstico, não iniciar um tratamento odontológico sem ter certeza que é o indicado e quando reconhecer a Neuralgia do Trigêmeo em um paciente, encaminhar ao neurologista clínico. Não devemos esquecer que cerca de 14 a 20% dos casos são sintomáticos, ou seja, podem estar associados a outras condições como tumores.

Recentemente fui convidada pela querida professora Liete Zwir para escrever um texto sobre este assunto para a seção Cadernos da Sociedade Brasileira de DTM e Dor Orofacial (SBDOF). Para ler, clique aqui! Para quem quiser tem o PDF.

Aproveite e leia também o  artigo com atualidades em conceitos sobre Neuralgia do Trigêmeo publicado na revista Neurology por Cruccu et al., 2016.

 

Novo consenso sobre Bruxismo

Saiu hoje o novo consenso de especialistas sobre Bruxismo.

Convido a todos a lerem e refletirem sobre os conceitos ali apresentados.

Muitos aspectos interessantes: o papel da ferramenta de diagnóstico, o bruxismo como sinal de alguma condição ou fator de risco para outras, os métodos para diagnóstico de bruxismo da vigília.

Eu particularmente fiquei feliz que a definição agora separou de acordo com a atividade dos músculos realizadas e período circadiano, o bruxismo do sono do bruxismo da vigília.

consenso.001

O consenso foi publicado no Journal Oral Rehabilitation e está aberto e gratuito para quem quiser ler.

Os autores são pesquisadores e clínicos que atuam na área.

#ficaadica

Falando nisso….

Claro que todas as novidades estarão no Dia do Bruxismo, curso teórico com 8 horas, comigo e com a professora Adriana Lira Ortega.

Estamos com inscrições abertas em Blumenau (11/11), São Paulo (18/08) e Salvador (01/09)!

Saiba mais em www.diadobruxismo.com

Os vídeos da vez para estudar Neurofisiologia da Dor

 

Lá no IEO-Bauru, onde há o curso de especialização em DTM e Dor Orofacial coordenado pelo Professor Paulo Conti, estamos  todo o módulo realizando uma reunião científica, o Journal Club, onde sempre escolhemos temas interessantes para estudar. Num deles estudamos como  facilitar o estudo dos processos relacionados a dor. Escolhi mostrar alguns dos vídeos que gosto no youtube!

Como já faz um tempo que fiz uma postagem com estes vídeos do Youtube que gostei para estudar neurofisiologia da dor, acho que está mais do que na hora de atualizar a lista né? Quanto tiver um tempinho sobrando, veja um deles. Ver vídeos ajuda bastante no conhecimento!

Aproveite e conheça o meu canal por lá. Tem poucos vídeos meus mas tem as listas que crio com vídeos que gosto! 🙂

Segue a sequência de vídeos que enviei aos alunos:
1. Aula TED-Ed sobre dor

2. As fases da nocicepção

3. Caminhos da dor

4. Condução:

5. Transmissão (sinapse):

6. Modulação de dor:

  • Teoria do portão:
  • Modulação endógena:
  •  Papel do opióide:

7. Percepção de dor:

E mais uns extras que sugeri que assistissem:

* O mistério da dor crônica:


* Neurônio:


* Como os nervos funcionam?


* Potencial de ação:


* Potencial da membrana:


* Inibidores seletivos de recaptacao de serotonina:

 

#ficaadica

Quer se inscrever na próxima turma do curso de DTM e Dor Orofacial e também participar do Journal Club? Clique aqui!

Falando nisso…

No dia 03 de agosto de 2018 irei ministrar novamente a minha aula favorita: Odontalgias não Odontogênicas em Campinas. Esta aula tem duração de 8 horas e apresentou alguns casos clínicos de interesse aos colegas dentistas para que o conhecimento evite as iatrogenias!

Assim, se quiser participar, entre em contato com a Imajon Cursos. Link para conteúdo programático aqui.

Abraços!!

ad66f6b7-940e-4f52-8b70-bec9d4402288

Utilizar ou não a Internet e as Redes sociais, para preencher as lacunas de informação?

Eu sempre acreditei na comunicação via redes sociais, mas, acreditem, ainda há aqueles que são resistentes a utilizarem esta ferramenta.

Pedi para a querida Bruna Motta Minusculi, cirurgiã-dentista, aluna do curso de Especialização em DTM e Dor Orofacial do Bauru Orofacial Pain Group/ IEO-Bauru, que escrevesse um texto sobre este assunto e compartilho com vocês! 🙂

 

Nos últimos dias tenho pensado e me questionado muito sobre como a Internet e as redes sociais influenciam as pessoas no dia-a-dia. Resolvi pesquisar mais sobre o assunto. Vamos lá…

Hoje vivemos em um mundo em que as pessoas estão o tempo todo conectadas, certo? Seja em seus computadores, seja em seus smartphones e tablets. Segundo dados de 2017 publicados pela We are Social, os brasileiros são a segunda nação a gastar mais tempo nas redes sociais, perdendo apenas para as Filipinas, permanecendo em média 3 horas e 43 minutos conectados por dia.

A rede social Facebook, englobando as outras plataformas da empresa, como Instagram, Messenger e Whattsapp, hoje contam com 4.37 bilhões de usuários, claro que nessa conta temos usuários duplicados, mas os números são impressionantes. Só no Brasil, o Facebook possui 120 milhões de contas ativas, isso significa que mais da metade da população brasileira está nessa mídia.  Já, segundo outro levantamento realizado pela Pew Research Center, oito em cada dez usuários da internet procuram informações sobre saúde na rede.

E qual a qualidade da informação que encontramos na internet hoje? Será que são informações baseadas em evidências científicas ou baseadas na opinião do dono da página/canal?

– Para os pacientes: Você tem o hábito de verificar as informações que recebe ou que busca na Internet? Ou aceita ela como verdadeira logo de cara?

– Para os profissionais de saúde: Você orienta seus pacientes sobre os cuidados nessas mídias? Publica informações nas redes, buscando levar informações atualizadas e com embasamento científico à população?

Keller et al. (2014) realizou uma pesquisa para verificar o engajamento dos profissionais da saúde com as tecnologias, segundo ele a maioria dos pesquisadores e professores da Johns Hopkins School of Public Health não tem interesse ou é contrário a utilização das redes sociais para o engajamento profissional.

No trabalho de Butler et al (2012) ele avaliou a qualidade das informações nos vídeos do YouTube em relação aos primeiros cuidados de queimaduras, e concluiu que a qualidade das informações foram insatisfatórias.

Outra pesquisa realizada por Merolli et al. (2015) que analisou o uso das redes sociais em pacientes com dor crônica, obteve um resultado (me impressionou) quanto a frequência do uso das redes sociais para a autogestão da dor crônica 35,5% dos entrevistados acessam diariamente e 41,4% pelo menos uma vez na semana. Também 35,1% dos pacientes valorizam as redes sociais para a autogestão da dor crônica.

Não podemos esquecer que esse ano a IASP, declarou o tema da campanha mundial de 2018: Excelência da Educação em Dor. Que como já publicado tudo sobre isso em outro post. Devemos fazer com que conceitos corretos sobre dor cheguem aos pacientes e a Internet é uma ótima forma de realizar isso.

Com isso, não temos como fugir dos avanços tecnológicos, nossos pacientes acessam com frequência, a informação está disponível e na maioria das vezes possui qualidade questionável.

Mas hoje, como profissionais da saúde possuímos o dever de orientar a população leiga, pois, para eles é muito mais difícil distinguira ciência da opinião. Assim para a promoção de saúde devemos buscar bases científicas atualizadas e sim, divulgarmos nas redes sociais! Faça a divulgação da informações de qualidade chegar a mais pessoas e como você achar melhor, através de posts, vídeos, mídias. Enfim a rede está disponível, basta usá-la!

E pra finalizar, a conclusão enfática de Thompson et al. (2012), para a área médica em geral “nossos pacientes estão fazendo isso, então é aí que precisamos estar.”

1755_05829.jpg

Bruna Motta Minusculi

Referências:

 

A decisão clínica baseada em evidências

Há algumas semanas atrás o colega cirurgião-dentista Ricardo Aranha me enviou um texto de sua autoria sobre o tema saúde baseada em evidências. Achei bem interessante e compartilho aqui com vocês!

Boa leitura!!

O método científico tem como uma de suas bases o livro “Discurso do Método” de René Descartes, do séc. XVII. A noção da confirmação do que era até então reconhecido pelos 5 sentidos através de testes, refutação, repetições sistematizadas e confrontação de ideias teve por lá seu berço e vem evoluindo à revelia do senso comum. A ciência nasce como uma conquista humanitária, contrapondo-se a crenças, preconceitos de todo tipo e autoritarismo dogmático formal ou informal ao longo da história. Infelizmente enfrentou e enfrenta imenso desconhecimento ou mesmo simples desconsideração de suas bases teóricas, mesmo com toda parafernália tecnológica atual à disposição e todo acesso à informação (um luxo, até certo tempo atrás). Como nasceu de constructos humanos, não poderia ser perfeita. Muitas vezes é distorcida, falseada e mal utilizada, mas nada disso tira sua grandeza e sua utilidade prática inestimável. Nem mesmo a força de discursos obscuros em redes sociais da internet ressaltando “tradição, moralidade, histórias pontuais, mitos, etc.”

De um tempo para cá muito se fala em evidências científicas e suas aplicações no mundo real. No caso da área de saúde, surgiu a “Medicina Baseada em Evidências” (MBE) – que apesar de propiciar críticas e debates produtivos, é também inevitavelmente alvo de incompreensão generalizada e de ataques infundados. A MBE, com origem filosófica que remonta ao século XIX ou ainda antes, é definida como “uso consciencioso, explícito e criterioso da melhor evidência atual na tomada de decisões sobre o tratamento do indivíduo, o que significa integrar a experiência clínica individual com a melhor evidência clínica externa disponível proveniente da busca sistemática de informações.” (Sackett D, 1996). O termo mais amplo “Prática Baseada em Evidências” (PBE), cunhado por Gordon Guyatt em 1992 e que utiliza os mesmos princípios, integra outras áreas de saúde para além da medicina no mesmo escopo. Seu método de busca por respostas à questões clínicas parte do princípio da hierarquia construída a partir de trabalhos de atestada qualidade (pirâmide de evidências), a identificação e busca por estes mesmos trabalhos e ao final sua leitura crítica. Daí então o processo expande-se para além da nua e crua leitura de resultados acadêmicos, formando um  “tripé mental” construído por: realidade e experiência do profissional, vontades e valores do paciente e a melhor evidência científica disponível no momento.

Reformulando e complementando, é preciso também acrescentar que, tal como indica a nomenclatura de origem “medicina baseada em evidências”, sua base é sempre constituída de (boas) evidências e daí a decisão clínica deve sempre partir. Só então, como camadas que são acrescentadas sucessivamente, considera-se a informação do contexto do paciente, sua realidade e as vivências e habilidades do clínico (e até mesmo, porque não: um pouco de criatividade). Mas é importante salientar que esta ordem NUNCA deve ser invertida. Os maiores problemas aparecem quando a evidência científica vem como um “anexo” a posteriori, ou ainda pior, nunca vem…

Assim, um médico que se permita substituir a correta e necessária vacinação contra a febre amarela, por exemplo, por procedimentos ditos “alternativos” está desconsiderando a base de evidências e superestimando o contexto social, hábitos e tradições (muitas das quais inadequadas). Está inadvertidamente deformando por deslocamento sua base de decisão – e este não é o processo mais virtuoso: a  partir daí nada pode ser considerado seguro e prevalecem os hábitos, crenças e vícios mentais obscuros; as consequências podem ser graves, algumas vezes até mesmo fatais.

Um outro exemplo clássico, mas na direção oposta, seria o do medicamento Canabidiol, oriundo da folha da maconha e que é utilizado em casos graves de epilepsia. À época seu uso foi devidamente legalizado no Brasil, mesmo na ausência da melhor evidência e considerando apenas relatos de casos e estudos de menor peso científico, também sua segurança clínica e o fato de não existirem definitivamente outras opções com a mesma performance terapêutica para aquela patologia específica. Considerou-se, neste caso, a melhor evidência disponível, a gravidade e sofrimento causado pela doença (realidade do paciente) e a viabilidade clínica do tratamento. Pode-se considerar que foram satisfeitos os princípios da PBE.

A evidência científica não deve ser encarada como uma prisão mental ou um dogma. Ciência não poderia mesmo ser assim. A própria orientação da PBE sinaliza, em seu “tripé decisório,” a importância de informações sobre contexto humano e social do paciente e sobre a realidade e expertise do clínico. Não há exclusão, nunca houve. Há sim, com certeza, e ainda haverá, muita desinformação.

 

“ De modo que o maior proveito que eu retirava era aprender, vendo várias coisas que, embora nos pareçam extravagantes e ridículas, não deixam de ser comumente aceitas e aprovadas por outros grandes povos, a não crer muito firmemente naquilo que me fora persuadido apenas pelo exemplo e o costume, e assim a livrar-me aos poucos de muitos erros que podem ofuscar nossa luz natural e nos tornar menos capazes de ouvir a razão.”

 

Descartes, séc XVII

 

 

REFERÊNCIAS

 

Descartes, René. Discurso do método. Tradução, prefácio e notas de João Cruz Costa. São Paulo: Ed de Ouro, 1970. Disponível para download em: Domínio Público; http://www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/PesquisaObraForm.jsp

 

Sackett David L, Rosenberg William M C, Gray J A Muir, Haynes R Brian, Richardson W Scott. Evidence based medicine: what it is and what it isn’t BMJ 1996; 312 :71

 

Guyatt, G.H., Haynes, R.B., Jaeschke, R.Z., & Cook, D.J. (2000). Users’ guides to the medical literature: XXV. evidence-based medicine: principles for applying the users’ guides to patient care. JAMA 2000; 284: 1290-1296. doi: http://dx.doi.org/10.1001/jama.284.10.1290

 

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. Aprova o uso compassivo do canabidiol para o tratamento de epilepsias da criança e do adolescente refratárias aos tratamentos convencionais. Resolução n. 2.113, de 16 de dezembro de 2014.

 

Galvão MA, Santos MAC. Medicina baseada em evidências: o conhecimento sempre em construção. Resid Pediatr. 2015;5(1):5 DOI: https://doi.org/10.25060/residpediatr-2015.v5n1-01

Dr Ricardo Aranha

Ricardo Luiz de Barreto Aranha Possui graduação em Odontologia pela Universidade Federal de Minas Gerais(1996), especialização em Ortodontia pela Faculdade Ingá(2014) e especialização em Morfologia – Desordens da ATM e Músculos da Mastigação pela Universidade Federal de São Paulo(2002). Atualmente é Cirurgião dentista especialista dor e DTM da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte e Dentista especialista em DTM dor orofacial da Prefeitura Municipal de Betim. Tem experiência na área de Odontologia, com ênfase em Dor orofacial / DTM.