Curso Aperfeiçoamento em DTM e Dor Orofacial – IEO Bauru

Semana intensa e quente por aqui! Não deu tempo nem de fazer um vídeo mais longo no Periscope (já me segue por lá? @dororofacial)!

Recebi a informação que a procura já começou pelo curso de Aperfeiçoamento em DTM e Dor Orofacial do IEO-Bauru!

Quem acompanha o blog há mais tempo já conhece este curso, não é? Com mais de 10 anos de tradição, professor Paulo Conti está na coordenação deste curso, teórico e clínico.

O curso tem como objetivo oferecer a todos os alunos atualidades com relação a meios de diagnóstico, critérios de classificação, comorbidades e as terapias mais conceituadas de tratamento dentro das disfunções temporomandibulares e dores orofaciais.

Na equipe, além de mim, estão presentes o professor Leonardo Bonjardim, da Fisiologia Oral da FOB-USP (junto com o prof. Paulo Conti, os dois maiores nomes na pesquisa em DTM/DOF do Brasil), Carolina Ortigosa CunhaAndré Porporatti, Yuri Costa, Naila Machado, Fernanda Araújo Sampaio, Dyna Mara FerreiraHenrique Quevedo e o fisioterapeuta César Waisberg, todos membros do Bauru Orofacial Pain Group, para suporte ao curso com aulas teóricas e acompanhamento na clínica.

Além disso sempre temos convidados especiais! Este módulo a professora querida Daniela Godói Gonçalves estará por lá! \o/

O curso tem 11 módulos, de fevereiro a dezembro e todas as datas já estão agendadas! Acontece uma vez por mês, às quintas (8:00 a mais ou menos 20:30 hs) e sextas feiras (8:00 às 18:00).

A quem se destina: cirurgiões-dentistas, fisioterapeutas e fonoaudiólogos. O bacana é que este curso também é voltado para a atualização do especialista em DTM e Dor Orofacial!

Quer saber mais?

Entre em contato com a Vivian no IEO-Bauru pelo telefone 14 32341919 ou site www.ieobauru.com.br

Espero encontrar vários leitores por lá!

Ah! E para quem quer saber sobre a Especialização: nova turma em Abril de 2016!

Conheça também nosso trabalho no Bauru Orofacial Pain Group através da página do Facebook: www.facebook.com/orofacialpain

322361

Entrevista com Prof. Paulo Conti – DTM e Bruxismo

Na semana passada fomos surpreendidos por uma entrevista do Prof. Paulo Conti, professor da FOB-USP e coordenador do Bauru Orofacial Pain Group, no programa Saúde em Prática da TV Unesp de Bauru.

Uma entrevista bem esclarecedora para a população, falando sobre tipos de disfunções temporomandibulares (DTM), ruídos, cefaleias, bruxismo, má oclusão (desmistificando seu papel) e tratamentos (enfatizando os conservadores, explicando papel das placas, etc).

Vale a pena assistir!

Dê um play! 😉

De volta a ativa!

Olá!! Estou de volta!

Tudo bem que 2015 já começou faz tempo mas tirei alguns dias para descansar, longe da Dor Orofacial, e portanto só agora começaremos o ano por aqui! 🙂

Pensando no que escreveria aqui neste primeiro texto, resolvi fazer um apanhado das novidades e cursos que vi nas redes sociais, no PubMed e nos sites em geral nos últimos dias. O título da postagem deveria ser: o que chamou a minha atenção nestes dias. E olha, não foi pouca coisa!

  • Abriram as inscrições para o II Congresso Brasileiro de Dor Orofacial da SBDOF e agora também é possível visualizar toda a programação! E… eu vou falar no congresso! Bem, quem me conhece sabe que vou estar mega nervosa, mas prometo dar o meu melhor. O tema? Bruxismo do sono e DTM: casamento ou divórcio? Rs… A presença internacional será do Prof. Eli Eliav. Eu assisti a uma aula dele no Congresso da AAOP ano passado e acho que foi uma das melhores que assisti. Tanto que rendeu uma postagem aqui no blog. Leia aqui! Também devo lembrar a vocês que haverá o Prêmio Prof. Eleuterio Martins ao melhor trabalho apresentado durante o congresso! Olha aí a chance de você expor o seu! Vejam o site oficial do evento clicando aqui.
  • E por falar em Bruxismo do Sono, sempre que ministro uma aula falo aos colegas que prestem atenção nos artigos publicados pelo Prof. Gilles Lavigne. E agora em janeiro vi que uma revisão livre que traz ele como co-autor foi publicada e com acesso gratuito! Aproveite para rever seus conhecimentos! O link está aqui.
  • Ainda sobre bruxismo (este tema nunca acaba por aqui, não é mesmo?) quero contar a todos que eu e a Adriana Lira Ortega vamos viajar muito pelo Brasil este ano com o Dia do Bruxismo! João Pessoa, Belo Horizonte, Florianópolis e São Paulo já estão no mapa. Aguardem as novas datas e novos locais! Em breve colocarei por aqui.
  • Para quem ao CIOSP este ano, a dica é assistir a palestra da Adriana sobre DTM em Odontopediatria. Ela me disse que será uma palestra completinha mostrando a presença da DTM na clínica do Odontopediatra, quais os fatores de risco e ainda o que há em tratamento para estas crianças. Vamos lá conhecer um pouco mais sobre dor orofacial na população infantil! Dia 25/01 às 16 hs.
  • O professor Paulo Conti concedeu uma entrevista bacana sobre a especialidade de DTM e Dor Orofacial no jornal do Conselho Regional de Odontologia de Minas Gerais. Aqui o link para a entrevista.
  • Olhem só! A página do Bauru Orofacial Pain Group no Facebook ultrapassou 1000 curtidas! Conheçam a página. Sempre colocam os últimos trabalhos apresentados ou publicados pelo grupo e você poderá ter acesso. Além disso, o curso de Atualização em DTM e Dor Orofacial do IEO-Bauru começará no finalzinho de Fevereiro. Como já falei aqui, este curso é direcionado tanto aos profissionais que desejam ter um primeiro contato com a área, como a especialistas que queiram reciclar. Para inscrições e mais informações o site é www.ieobauru.com.br
  • O  neurologista e professor Marcelo Bigal avisa aos colegas interessados no estudo da Dor e cefaleias que no próximo dia 12/02/2015 ministrará uma conferência via web, como parte do Fórum de Dor de Havard. Após esta conferência haverá debate com grandes cientistas como Rami Burstein (Havard), Andrew Russo (University of Iowa), Stephen Silberstein (Thomas Jefferson University) e moderação de Greg Dussor (University of Texas). Olhem só, é gratuito mas a inscrição é necessário. O horário será 12 às 13:30 (horário local), 15 – 16:30 (horário de Brasília). Para saber mais clique aqui! Eu não vou perder por nada! Já fiz minha inscrição. Em 2011 publiquei uma entrevista que li com o professor Marcelo Bigal e guardei para sempre sua frase: “Tenha paciência! Diagnóstico requer tempo”. 
  • E super bacana também é acompanhar o site Pain Research Forum, mantido pela Universidade de Havard com conteúdo do Havard NeuroDiscovery Center, que promovem o webinar no qual falei acima. Sugiro a todos que se cadastrem (é gratuito). Mesmo sem cadastro, é possível visualizar os artigos do mês escolhidos pelos editores, ver as últimas pesquisas no campo da dor, participar do fórum, acompanhar todos os eventos vindouros e as resenhas do mês. O site me lembra muito o Dor On-Line (outro site que adoro e acompanho sempre!). Uma das seções do site que mais gostei é Classic Papers, dedicada a listar artigos clássicos sobre dor, aqueles do tipo tem que ler! Destaque para o artigo que pela primeira vez mostrou o papel do efeito placebo na analgesia (foi em dor dentária, artigo de 1978, um verdadeiro clássico! 😉 ). Vejam também a história interessante descrita no fórum sobre a ligação entre sensibilização e catastrofização.
  • Há algum tempo (mais precisamente há 5 anos atrás, rs…) coloquei aqui que em Janeiro as revistas científicas costumam lançar edições ou artigos gratuitos, como uma amostra grátis aos que não são assinantes ainda (vejam a Headache por exemplo). Mas fiquem de olho! Várias revistas já possuem uma seção de artigos abertos. Vi na Pain e no Journal of Dentistry, mas acredito que outras revistas vão aderir a isso, já que quando o autor submete um trabalho, há a opção de escolher para que ele fique disponível gratuitamente para leitura (pena que ainda é muito oneroso ao autor).
  • Da série não é sobre Dor Orofacial mas é muito legal: Scannable, um aplicativo desenhado para scanear documentos. Já há algum tempo que uso o Evernote para guardar tudo da minha vida profissional (de artigos científicos a fichas clínicas) e agora este aplicativo caiu como uma luva! É possível salvar toda a documentação de seus pacientes que estão no papel e transferir para o Evernote ou guardar onde achar melhor rapidamente. Achei tão bom e útil que estou compartilhando a ideia! Aliás, conheçam o Evernote (ganho nada para isso não, mas bem que poderia né?), para mim o melhor programa/aplicativo que uso no dia-dia.
  • E em fevereiro o blog fará 5 anos! O tempo passa realmente muito rápido!

Que 2015 seja excelente para todos nós! 🙂

Links!

Hoje é dia de links!

Tenho lido pouca coisa na internet, então me perdoem se houver algo repetido aqui…

Quer só lembrar que semana que vem estaremos no Congresso Mundial de Dor em Buenos Aires! \o/

Espero trazer novidades aqui para o blog! A programação está recheada! Confiram em www.iasp-pain.org

E vamos lá!

Captura de Tela 2014-09-28 às 15.17.16

Estou citando mais uma vez o site Dor on Line, um dos meus favoritos! O site comemorou mais um aniversário em agosto e no editorial trouxe um pouco da história do grupo. Além disso há uma entrevista com o mestre  Dr. José Geraldo Speciali, super especial! Vale a pena conferir também todas as notícias relacionadas a dor (veja como a dor crônica diminui a motivação)!

Captura de Tela 2014-09-28 às 15.24.16

E por falar no Congresso Mundial da Dor, lembrei que uma das sessões que tentarei assistir será com o editor da revista Pain! Recebo muitos emails reclamando da falta de acesso às publicações internacionais, e até dei a dica do Research Gate, mas vocês sabiam que toda a revista tem artigos gratuitos para serem visitados? Confira aqui os da Pain.

Captura de Tela 2014-09-28 às 15.25.49

Esta dica coloquei na página do Facebook do blog:a Sociedade Internacional de Cefaleia disponibilizou o aplicativo da revista Cephalalgia para Android e iOS. Mas prestem atenção, o conteúdo online estará disponível até 01/12/2014 gratuitamente, depois só para quem for sócio! Então, vamos baixar hoje!

Captura de Tela 2014-09-28 às 15.28.33

O Grupo de Dor Orofacial de Bauru agora também está no Facebook! Sob coordenação do professor Paulo Conti, a página se dedica a divulgar as ações do grupo, no ensino e pesquisa da Dor Orofacial. Fico feliz em poder fazer parte disso junto com os amigos André Porporatti, Caio Valle, Carolina Ortigosa Cunha, Fernanda de Araújo Sampaio, Henrique Quevedo, Lívia Pinto Flamengui, Naila Machado e Yuri Costa, além do sempre super professor Leonardo Bonjardim. Curtam a página (fiz uma aposta de que chegaria a 1000 curtidas até outubro, me ajudem!) e aguardem as novidades que vem por aí!!

Captura de Tela 2014-09-28 às 15.49.17

E para terminar uma palestra que adoro do Ted Talks. Não sei como nunca postei sobre ela aqui. Trata-se do anestesiologista Eliot Krane falando sobre dor crônica. Não vou dar spoilers, assistam! Só lembrando que o Ted Talks tem tradução para algumas das palestras. Basta clicar em Subtitles e escolher seu idioma favorito.

Falando nisso….

Falei sobre o Congresso Mundial da Dor mas devo lembrá-los que também na mesma semana (o que foi uma pena) acontecerá o Congresso Brasileiro de Cefaleia que conta com as sessões programadas pelo Comitê de Dor Orofacial da SBCe! O congresso será em Aracaju! Mais informações, clique aqui!

Palpômetro

A palpação da articulação temporomandibular (ATM) e dos músculos mastigatórios é um exame físico essencial no diagnóstico das disfunções temporomandibulares (DTMs).

As classificações das DTMs costumam relatar que devemos realizar a palpação com um força constante, determinada em kg. No caso do novo DC/TMD, classificação que eu acredito será finalmente anunciada neste ano, esta palpação deveria ser de 500 gramas a 1 kg, dependendo da estrutura avaliada.

Mas como aferir isso? Na prática clínica procuramos treinar com balanças a pressão exercida. Na pesquisa este treinamento pode ser realizado através dos algômetros, como fiz na minha de mestrado. Mas não é um método preciso.

Quando o professor Svensson esteve em Bauru, ele trouxe os protótipos de um novo palpômetro. Trata-se de um dispositivo com uma ponta redonda que quando pressionada na estrutura, ao se chegar à pressão desejada, a superfície do dedo do operador encontrará uma resistência.

Este instrumento foi submetido à um estudo para avaliar sua acurácia. Para ler o resumo do estudo clique aqui.

Este dispositivo foi lançado comercialmente com o nome de Palpeter e até onde eu sei, só está disponível para a venda na Europa ao custo de 99 euros.

Mas uma pessoa curiosa perguntaria: por que 500 gramas e 1 kg?

O professor Paulo Conti orientou duas pesquisas interessantes na Faculdade de Odontologia de Bauru – USP onde procurou verificar então qual seria o valor de corte para a pressão que distinguisse pacientes de indurante o exame de limiar de dor à pressão. Este foi tema das dissertações de mestrado da Profa. Carolina Ortigosa Cunha e do Prof. Dr. Rafael Santos Silva.

No caso da dor muscular, o trabalho do Prof. Dr. Rafael Santos Silva mostrou que o masseter e o temporal apresentaram valores distintos para se distinguir pacientes de não pacientes. Com 90.8% de especificidade os valores obtidos foram  1.5 kgf/cm2 para masseter, 2.47 kgf/cm2 para temporal anterior, 2.75 kgf/cm2 para temporal médio, and 2.77 kgf/cm2 para temporal posterior.  Clique aqui para ler o resumo do trabalho que saiu no Journal Orofacial Pain.

O trabalho da Profa. Carolina Ortigosa Cunha verificou que o valor de palpação de 1,56 kgf/cm2 é o mais adequado para o diagnóstico de DTM de origem articular. Para ler a dissertação na íntegra, clique aqui.

Os valores são bem distintos daqueles propostos pelo futuro DC/TMD e também reproduzidos pelo Palpeter. Vi no site que há modelos com 2 e 4 kg. Estas pesquisas deveriam sugerir que pelo menos fosse considerado 1,5 kg, não? Ainda bem que existe gente curiosa no Brasil! 😉

Para quem ficou curioso em ver o Palpeter em funcionamento, segue abaixo vídeo postado pela empresa no You Tube.

Exame de pares cranianos

Em uma das aulas que ministrei no curso de DTM e Dor Orofacial do IEO em Bauru (sob coordenação do Prof. Paulo Conti e com matrículas abertas para 2012!) eu fiz a exposição de como realizar o exame de pares cranianos de forma simples mas eficaz para verificar possíveis alterações e encaminhar rapidamente o paciente ao neurologista.

Como falamos pouco sobre este assunto, achei importante dividir com vocês o folheto que produzi em formato PDF. Não deixem de fazer o exame em seus pacientes, pode ser fundamental! 🙂

Para ler e fazer download, clique aqui!


Classificação Internacional das Cefaleias

Como todos sempre me perguntam onde conseguir a Classificação Internacional das Cefaleias e como o professor Paulo Conti acaba de falar sobre isso aqui na aula do curso de atualização em DTM e Dor Orofacial de Bauru, resolvi disponibilizar os arquivos aqui no blog! Eles estão também disponíveis no site da Sociedade Brasileira de Cefaleia.

São 4 arquivos que compõe toda a classificação. Façam download e tenham sempre acesso a estes arquivos para ajudar seu paciente no diagnóstico!

Segue abaixo:

Primeira parte

Segunda parte

Terceira parte

Quarta parte

5 perguntas sobre Dor Orofacial para… Professor Peter Svensson

Na primeira semana de maio o Professor Peter Svensson esteve na Faculdade de Odontologia de Bauru – USP, a convite do professor Paulo Conti, para ministrar a disciplina Dores Orofaciais para os alunos da pós- graduação. E graças ao professor Conti, eu, a Ana Lotaif e o José Luiz Peixoto Filho pudemos participar como alunos convidados. Obrigada, Conti!!!

Peter Svensson é professor da Universidade de Aarhus, Dinamarca, onde é chefe da disciplina de Fisiologia Oral na Faculdade de Odontologia e também integra o MINDLab, Centro de Neurociências Integrativa Funcional no Hospital Universitário. Também, é editor chefe do Journal Oral Rehabilitation e presidente do consórcio internacional do Research Diagnostic Criteria for Temporomandibular Disorders (RDC/TMD) de 2010 até 2013.

Foi uma semana extremamente gratificante, quando nós pudemos aproveitar palestras muito interessantes e confirmar tanto a experiência em pesquisas quanto a capacidade de ensino do Professor Svensson. Os tópicos apresentados foram sobre os mecanismos das DOF, uma atualização sobre Bruxismo e Dor Orofacial Neuropática, e o processo evolutivo do DC/TMD. Espero de coração que este seja apenas um primeiro encontro!

Voltando de Bauru, o José Luiz teve a idéia de iniciar aqui no blog uma série de entrevistas sobre DTM e Dor Orofacial, com pessoas envolvidas em atividade clínica, ensino e pesquisa nessa área, as “5 perguntas para…”, e nós estamos muito orgulhosos de iniciar com o Professor Peter Svensson.

E lá vamos para a primeira!

On the first week of May, Professor Peter Svensson was at the Dental School of Bauru – USP, invited by Professor Paulo Conti, to present lectures on Orofacial Pain to post-graduate students. And thanks to Professor Conti, I, Ana Lotaif and José Luiz Peixoto Filho could atend as invited students. Thank you, Conti !!!

Peter Svensson is professor at the University of Aarhus School of Dentistry division of Clinical Oral Physiology, and holds an appointment at the University Hospital in the MindLab (Functional Integrative Neuroscience Center). Also, he is the chief editor of the Journal of Oral Rehabilitation and president of the International Consortium – Research Diagnostic Criteria for Temporomandibular Disorders (RDC / TMD) – from 2010 to 2013.

 It was an extremely rewarding week, and we could enjoy very interesting lectures and confirm the experience on research and teaching skills of Professor Svensson. The topics presented were a review on Orofacial Pain mechanisms, an update on Bruxism and Orofacial Neurophatic Pain, and the evolving process of the DC / TMD. I hope with my heart that we can meet again in the future!

Back from Bauru, José Luiz had the idea to start in the blog a series of interviews on TMD and Orofacial Pain with people involved in clinical, teaching and research in this area, the “5 questions to…”, and we are very proud to start it with Professor Peter Svensson.

And here we go!

5 perguntas para Peter Svensson – 5 questions to Peter Svensson

1) Como é o ensino do tema Dor Orofacial e DTM em seu país?

How is the Orofacial Pain and TMD teaching in Denmark? Do dental students have it as a regular discipline? Is OFP/DTM a recognized specialty in Dentistry at your country?

Na Dinamarca os alunos de Odontologia tem 2 anos de formação em Fisiologia Oral, que abrange as DTM e a Dor Orofacial (DOF). Assim, eles aprendem a avaliar, diagnosticar e tratar esses pacientes. Infelizmente, não existe oficialmente a especialidade de DTM e DOF na Dinamarca, mas atualmente estamos trabalhando junto ao Conselho Nacional de Saúde para ver se conseguimos ter mais especialidades odontológicas na Dinamarca (atualmente existem apenas duas especialidades oficializadas: a Ortodontia e a Cirurgia Buco-Maxilo-Facial). Isso faz com que os Dentistas clínicos sejam capacitados a diagnosticar e tratar os tipos mais comuns de DTM e DOF – e também saber quando e como encaminhar pacientes, por exemplo, ao nosso departamento.

Dental students in DK have 2 years of training with oral physiology which covers TMD / OFP. So they get to see and diagnose and treat patients. Unfortunately, there is no official specialty in OFP in DK but we are currently working with the National Board of Health to see if we can manage to get more specialities in DK (only 2 officials: ortho – and oral and maxillofacial surgery).This also demands that “normal” dentists can diagnose and treat the most common types of OFP and TMD – and know when and how to refer to e.g. our department.


2) Que áreas lhe despertam interesse em pesquisas atualmente?

What are your present research interests in the OFP/TMD area?

Estou muito interessado na plasticidade do córtex cerebral e na importância do cérebro na regulação da dor. Também em termos dos efeitos do treinamento, o cérebro é extremamente envolvido e importante. Ainda, existe um amplo leque de pesquisas que vão desde o estabelecimento de perfis somatossensoriais de diferentes condições de Dor Orofacial até o emprego de vários tipos de técnicas de eletrofisiologia (estudos de EMG / reflexos / mastigação / e condução nervosa). Nós gostamos de ter uma abordagem experimental e também clínica no estudo das DOF. O principal objetivo é aprender mais sobre os seus mecanismos para ajudar a melhorar o seu diagnóstico e tratamento.

I am very interested in cortical plasticity and the importance of the brain in the regulation of pain. Also in terms of training effects the brain is extremely involved and important. Otherwise there is a wide span of research from somatosensory profiling in different OFP conditions to various types of electrophysiology (EMG / reflexes / mastication / nerve conduction studies). We like to take an experimental but obviously also clinical approach to the study of OFP. The main goal is to learn more about mechanisms to help improve diagnosis and management.

3) Testes Quantitativos Sensoriais (TQS – QST): instrumento de pesquisa com possível aplicação clínica? Por favor comente.

Is QST a research instrument with clinical application? Please comment on that for us.

TQS (QST) é uma técnica maravilhosa, mas requer habilidade, diretrizes e um laboratório bem equipado. Portanto, há uma necessidade de se desenvolver técnicas mais simples,”semi”-quantitativas, porém confiáveis e válidas e que possam ser utilizadas no ambiente clínico odontológico. Acredito que o estabelecimento de perfis somatossensoriais é uma forma muito útil para caracterizar o fenótipo dos pacientes – e que este conhecimento pode levar ao desenvolvimento de tratamentos específicos, por exemplo, não apenas para tratar uma condição de DOF específica, mas para tratar uma condição de DOF específica com um perfil somatosensorial específico (por exemplo, uma que apresente alodinia mecânica dinâmica e uma outra que apresenta alodínia térmica).

QST is a wonderful technique but requires skill, guidelines and a well-equipped lab. So there is a need to develop more simple but reliable and valid “semi”-quantitative techniques that can be used chair-side. I believe somatosensory profiling is a very useful way to characterize the endophenotype of the patients – and that this may develop into specific management, e.g., not just to treat a specific OFP condition but to treat a specific OFP condition with a specific somatosensory profile (e.g dynamic mechanical allodynia vs warmth allodynia).

4) Como é sua participação no CONSORTIUM e o novo DC-RDC?

Tell us briefly about your participation in CONSORTIUM and the new DC-RDC.

Eu sou o atual diretor do projeto RDC / TMD e estamos trabalhando no novo DC/TMD (Schiffman et al. – a ser publicado na JADA ainda este ano). Foi um longo processo que contou com a ajuda de muitas pessoas. Acredito que o novo DC/TMD será mais fácil de usar e, naturalmente, fornecer uma medida direta de validade. Por isso, deverá ajudar tanto os clínicos quanto pesquisadores. É muito importante que nós tenhamos uma linguagem “comum” para o diagnóstico das DTM – e é aí que o DC / TMD realmente tem a sua importância. Vou incentivar as pessoas a aderirem ao projeto do DC-RDC/TMD e participarem da sua emocionante evolução – que eventualmente levará a um RDC inteiro para as DOF.

I am the current director of the RDC/TMD consortium and we are working on the new DC/TMD (Schiffman et al. – to be published in JADA – later this year). It has been a long process with the input and help from many people. I believe that the new DC/TMD will be easier to use and of course provide a direct measure of validity. So it should help both clinicians and researchers. It is so important that we have a “common” language in the diagnosis of TMDs – and this is where the DC/TMD really has its importance. I will encourage people to join the RDC/TMD consortium and take part in the exciting developments – that will eventually lead to an entire RDC for orofacial pain.
5. Quais foram suas impressões pessoais sobre as pesquisas em andamento pela equipe de estudantes coordenada pelo professor Paulo Conti na Faculdade de Odontologia de Bauru?

What were your personal impressions with the ongoing researches done by Paulo Conti’s students at Bauru School of Dentistry?

Fiquei extremamente impressionado com os muitos projetos de pesquisa, de alta qualidade e relevantes, apresentados durante a semana. Eles trarão uma boa e duradoura contribuição para o campo das DOF. Além disso, todos os apresentadores fizeram um trabalho muito bom em apresentar e discutir seus projetos em Inglês. Eu não tenho dúvidas que a pesquisa de Dor Orofacial no Brasil está avançando rapidamente – e ajudará a guiar o desenvolvimento clínico também. Estou ansioso para colaborar em alguns dos projetos no futuro!

I have been extremely impressed by the many and high-quality and relevant research projects presented during the week. They will all make good and lasting contributions to the field. Also, all presenters did an extremely good job in presenting and discussing their projects in English. I am not in doubt the OFP research in Brazil is moving fast forward – and will help to guide the clinical development as well. I am looking forward to collaborate on some of the projects in the future!

Obrigada a Ana Cristina Lotaif e ao José Luiz Peixoto Filho pela colaboração nesta postagem!

Esta entrevista também estará disponível no site www.dtmedor.com.br

Dor persistente nos músculos orofaciais

Dor persistente nos músculos orofaciais: este foi o tema escolhido por um grupo de professores e pesquisadores em Dor Orofacial para escrever uma ótima revisão que fez parte do último número da revista Oral Diseases.

Todo o último número desta revista foi destinado a publicação de revisões sistemáticas e textos sobre direções futuras de práticas especiais, formação e investigação na área de Medicina Oral, produzidos a partir do V Workshop Mundial. O colega Paulo Pimentel também publicou em seu blog, o Medicina Oral, um dos textos publicados nesta edição.

Neste artigo,  os autores sugerem um novo termo descritivo mialgia orofacial persistente: dor persistente nos músculos orofaciais (POMP) e analisam os dados atuais que apóiam a hipótese de que a indução de POMP envolve a interação entre uma fonte nociceptiva periférica no músculo, um componente do sistema nervoso central e déficit na capacidade de modulação da dor. Neste contexto, é amplamente aceito que uma complexa interação de ​​fatores intrínsecos e extrínsecos participem na indução de POMP e de disfunção.

Vale a pena a leitura críica deste artigo publicado por nomes de peso: Benoliel, Svensson, Gary Heir, Sirois, Zakrzewska,  Oke-Nwosu, Torres,Greenberg, Klasser,  Katz e Eliav.

E para nos deixar mais felizes, o acesso aos artigos é gratuito!! Não tem desculpa para não ler. Se não souber inglês, use o Google Tradutor, que a cada dia que passa fica melhor!

Aqui o link para a revista toda: http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/odi.2011.17.issue-s1/issuetoc

 

E vou aproveitar esta postagem para divulgar algumas novidades (olha o merchammmm):

Será que encontro vocês nestes eventos??? 🙂

Boa semana!

Curso update em DTM e Dor Orofacial em Bauru

Mais uma divulgação de curso! Estarei no final do mês de Março em Bauru, no Instituto de Ensino Odontológico para o III Curso Update em DTM e Dor Orofacial.

Este curso é organizado pelo Prof. Dr. Paulo Conti, professor titular da Faculdade de Odontologia de Bauru – USP, e a ideia de organizar estes encontros surgiu com intuito de reunir alunos e ex alunos de seus cursos voltados para DTM e Dor Orofacial. Mas estes dois dias de atualização sobre o tema são abertos a todos os interessados na área.

Eu agradeço o convite do Prof. Conti e escolhi falar sobre um tema, que para quem já me acompanha aqui sabe o quanto gosto, que acho que é pouco abordado nos cursos de DTM e Dor Orofacial que são as dores neuropáticas intraorais. A aula será voltada para o clínico, então com ênfase no diagnóstico e tratamento.

O caráter clínico do curso é também evidenciado com a discussão de casos que ocorrerá na parte da tarde no dia 01/04 (e não é mentira!! 🙂 ).

No primeiro dia pela manhã acontecerá a palestra do Prof. Patrick Stump, médico fisiatra e membro da equipe multidisciplinar do tratamento da dor do HC-USP, sobre os avanços no tratamento farmacológico da dor e à tarde as palestras do Prof. Paulo Conti abordando os métodos atuais no diagnóstico da DTM e também as evidências sobre genética e outras comorbidades.

Na quinta feira à noite acontecerá também um jantar de confraternização entre todos os participantes!

Abaixo está o folder. Mais informações, entrar em contato pelos telefones colocados no folder!

Clique para aumentar

Lembrando: no mês de março, nos dias 25 e 26 de março, também acontecerá o VI Simpósio Brasileiro de DTM e Dor Orofacial durante o CIOMIG 2011, em Belo Horizonte. Mais informações aqui: https://julianadentista.com/2011/02/04/vi-simposio-brasileiro-de-dtm-e-dof-no-ciomig-2011/

E ainda, este blog tem uma página para divulgação de cursos de atualização e especialização em DTM e Dor Orofacial. Lá você pode visualizar cursos em  Bauru, Belo Horizonte, Brasília, Campinas, Curitiba e Florianópolis!

Abraços a todos!