Sobre a especialidade DTM e Dor Orofacial

Faz muito tempo que quero postar uma palestra curtinha que ministrei no Congresso Internacional de Odontologia de São Paulo (CIOSP) em 2011 a convite da APCD de Franca, onde resido.

O tema era sobre a especialidade Disfunção Têmporo-Mandibular e Dor Orofacial. Na ocasião me lembrei imediatamente de uma palestra que havia assistido no Congresso de Dor Orofacial da Sociedade Brasileira de Cefaleia em Vitória e Gramado, em 2009 e 2010, respectivamente (foi tão boa que repetimos a dose!) ministrada pelo professor e amigo querido Márcio Bittencourt. Ele nos mostrou na ocasião o quanto ainda precisamos avançar na divulgação da especialidade, o quanto precisamos ainda precisamos conhecer da condição populacional, não só do Brasil como do mundo, e o quanto ainda, provavelmente, os pacientes devem estar sofrendo pela falta de diagnóstico e tratamento adequado.

Peguei parte da aula, com autorização, claro, e fiz a palestra.

Há luz no caminho: a Sociedade Brasileira de DTM e Dor Orofacial (SBDOF), recém fundada e ainda engatinhando, criou comissões como Ensino e Saúde Pública que podem, e devem, tentar mudar este panorama. Mas isso só vai acontecer com a participação de todos os interessados. Divulguem entre seus colegas a especialidade! O primeiro passo é divulgar a especialidade dentro da própria Odontologia, que infelizmente, na minha opinião, ainda a ignora.

Um passo de cada vez.

Para vocês também pensarem sobre o assunto, peguei alguns slides e fiz um vídeo para que todos possam assistir e reprisar, pensar e refletir. Logo abaixo!

Boa semana a todos!

Imersão em Odontologia do Sono

Mais uma oportunidade para nos atualizarmos! 3 dias sobre conceitos básicos dos Distúrbios do Sono com o objetivo de atualizar e aperfeiçoar a prática clínica.

A IMERSÃO EM ODONTOLOGIA DO SONO (www.capacitacaosono.com) será realizada nos dias 28, 29 e 30 de Junho próximonum hotel no bairro de Higienópolis em São Paulo.

PRELETORES JÁ CONFIRMADOS:
Alexandre Benetton (Cirurgião Buco-Maxilofacial UNIMES),
Alexandre Nakasato, otorrino (Depto de Ronco e Apneia do Sono do HC – USP),
Cibele Dal Fabbro (UNIFESP),
Faustino Pacheco Filho (neurologista-chefe do Instituto do Sono de Santos),
Jorge Caram – (Ex-aluno e membro do GEOS),
Marcelo de Melo Quintela – (UNIMES – SÃO LEOPOLDO MANDIC – UNIFESP),
Marco Antonio Machado (presidente da ABS, depto Neuro-Sono UNIFESP),
Otávio Luiz Ferraz (Cirurgião Buco-Maxilo UNIFESP),
Silvério Garbuio (Biomédico – INSTITUTO DO SONO DE SÃO PAULO)
Rowdley Rossi (UNIFESP e UFES)
Juliana Stuginski Barbosa (FOB-USP)

Estarei por lá para falar sobre as últimas descobertas sobre Bruxismo do Sono, no diagnóstico e tratamento.

Sendo assim, até o curso, vou me segurar e não vou postar nada sobre o tema!! rs…

Boa semana a todos!

Falando nisso…. 

ATENÇÃO PESSOAL DE CUIABÁ:

Sexta-feira, dia 11 de maio, às 19 horas farei uma palestra no Instituto de Pesquisa e Ensino – IPE de Cuiabá. O tema: contexto atual da Disfunção Temporomandibular. Mais informações aqui: http://www.ipeodonto.com.br/ipeodonto2010/conteudo/esquenta/id-350/cronograma_do_ciclo_de_palestra_de_2012

Aos pacientes: grupo de apoio a pessoas com zumbido

Um sintoma da maior complexidade é o Zumbido. São tantas causas e explicações que tanto o paciente como o profissional da saúde ficam por muitas vezes confusos.

Às pessoas que sofrem com este problema, em São Paulo, o Instituto Ganz Sanchez, o primeiro centro latinoamericano totalmente especializado em zumbido no ouvido e liderado pela Profa. Dra. Tanit Ganz Sanchez, professora associada da Faculdade de Medicina da USP, criou o Grupo de Apoio Nacional a Pessoas com Zumbido (GANZ).

Os principais objetivos são educar, trocar experiências e transmitir informações aos que sofrem com zumbido no ouvido. O pioneirismo desse grupo será na transmissão das reuniões presenciais por streaming nas mídias sociais, aumentando o alcance dessas informações para o Brasil.

A coordenadora é a própria Dra. Tanit Ganz Sanchez e as reuniões são todas as primeiras quartas-feiras de cada mês, das 15h às 16:30h na sede do Instituto Ganz Sanchez.

Mais informações pelo e-mail contato@institutoganzsanchez.com.br ,tel (11) 3021-5251, site http://www.institutoganzsanchez.com.br/ e o Facebookhttp://www.facebook.com/InstitutoGanzSanchez

 

 

Aos pacientes: caminhada Pare a Dor

Mais uma dica para os pacientes, agora para aqueles que moram em São Paulo. A SBED (Sociedade Brasileira para o Estudo da Dor), com apoio da Zodiac, promove a Campanha “A dor para a vida das pessoas. Pare a dor”, cujo objetivo é conscientizar a população de que sentir dor não é normal, que ela pode e deve ser tratada de forma correta, além de criar discussões sobre o assunto entre a classe médica.

Uma das iniciativas desta campanha é a caminhada Pare a Dor. Já falamos sobre ela aqui em outubro do ano passado, mas este ano ela foi aprimorada e está acontecendo todas as quintas feiras no Parque Ibirapuera. Para participar basta chegar lá e se juntar ao grupo! Fantástico, não? São 5 km de caminhada com supervisão profissional. Se eu morasse na capital daria um jeito de participar.

Aos profissionais da saúde de São Paulo, informem seus pacientes desta iniciativa.

Abaixo o comunicado oficial!

A SBED (Sociedade Brasileira para o Estudo da Dor), com apoio da Zodiac Laboratório Farmacêutico, promove a Campanha “A dor para a vida das pessoas. Pare a dor”. Entre as ações da campanha, aCaminhada Pare a Dor, que acontece todas as quintas e sábados no Parque do Ibirapuera e que proporciona aos participantes a prática de atividades, proporcionando a melhora da respiração, força, flexibilidade, da conscientização da postura adequada e o auxilio à reintegração profissional e social dos que sofrem com a dor crônica.

Caminhada Pare a Dor acontece todas as quintas e sábados, no Parque do Ibirapuera, zona sul da capital paulista. A ação conta com a supervisão, apoio e acompanhamento de um personal trainer e fisioterapeuta. O evento é aberto ao público em geral. Para participar, basta chegar ao local, no Portão 7 – acesso pela Av República do Libano – do parque e se juntar aos participantes. A caminhada tem aproximadamente cinco quilômetros, seguida de alongamento.

Para mais informações sobre as ações e atividades da Campanha Pare a Dor existem dois canais de interação: o Facebook e o Twitter, onde pacientes e médicos podem acompanhar noticias e interagir com o grupo Pare a Dor.

Siga Twitter @pareador Facebook www.facebook.com/pareador

SERVIÇO:

O que: Caminhada Pare a Dor – ação da Campanha Pare a Dor

Local: Parque do Ibirapuera, Portão 7 – Acesso pela av. República do Líbano

Quando : Todas as quintas e sábados, às 8h30

Quem: SBED e Zodiac

Livro – Dores Orofaciais: diagnóstico e tratamento

Recentemente foi lançado o livro Dores Orofaciais: diagnóstico e tratamento dos professores José Tadeu Tesseroli de Siqueira e Manoel Jacobsen Teixeira. Comentei aqui no blog em outra postagem. Hoje vou falar um pouquinho sobre o livro em si.

Para mim teve um sabor especial receber esta segunda edição. A primeira edição lançada em 2001 foi um livro que li, reli, grifei e aprendi bastante pois até conhecê-lo eu praticamente desconhecia a dor orofacial. Meu conhecimento limitava-se às DTMs. E depois disso, em 2002 fui até um congresso para assistir a palestra sobre Síndrome da Ardência Bucal (SAB) com os professores Siqueira e Cibele Nasri. Nem preciso contar a história depois, não é?

É impossível não notar nesta segunda edição, com 816 páginas, a evolução, que cursa com a da própria especialidade de DTM e Dor Orofacial, criada em 2002.

O primeiro capítulo, assim como o abre alas de uma escola de samba, dá o tom e faz uma introdução do que vem por aí. Se em 2001 a introdução falava sobre a necessidade de retornar ao ponto zero e além de estudar as DTMs, deveríamos aprender sobre dor, seus mecanismos, consequências e como controlar, em 2012 os desafios são outros. Como está escrito em um subtítulo do primeiro capítulo: da Disfunção da ATM à Dor Crônica. Educação e treinamento em dor, inserção do cirurgião dentista em equipes multidisciplinares, na saúde pública e os desafios da Odontologia brasileira são alguns dos temas abordados neste primeiro capítulo e que permeiam por todos os outros.

De “breve histórico e perspectivas“agora passa a ser “evolução e desafios“. Este realmente é o momento da especialidade.

O número de capítulos e colaboradores também aumentou, como não podia deixar de ser. Na colaboração participam nomes importantes na área de dor de todo o mundo com também ex-alunos formados na Equipe de Dor Orofacial (EDOF/HC), hoje integrada ao Centro de Dor da Divisão de Neurologia do Hospital das Clínicas de São Paulo. O avanço tanto no ensino como na pesquisa realizada por este grupo é relatado nas páginas do  livro de maneira leve, com o que sempre falamos aqui no blog também: a aproximação dos resultados de pesquisas clínicas e laboratoriais à rotina do consultório. A presença também de casos clínicos ao final de alguns capítulos auxiliam neste processo.

Como não podia deixar de ser, o primeiro capítulo que li quando recebi foi o de SAB. Fiquei feliz ao ler sua atualização, clara, de fácil entendimento! Neste capítulo é possível encontrar a ficha clínica utilizada para especificamente avaliar o paciente com queixa de ardência bucal. E é deste capítulo que subtrai a figura abaixo, com destaque à citação do médico oncologista Jerome Groopman.

Recomendo a todos que buscam compreender melhor este tema tão amplo que é a dor orofacial.

Especialmente gostaria de agradecer ao professor Siqueira pela dedicação, carinho e competência ao compartilhar seus conhecimentos e de seus colaboradores nesta nova edição!

Quem quiser adquirir o livro, cá está o link: http://www.grupoa.com.br/site/biociencias/1/42/47/5615/5616/0/dores-orofaciais.aspx

Aula do Prof. Reynaldo Leite Martins Jr. em SP

Para quem mora em São Paulo, se interessa por Dor Orofacial está aqui um ótimo programa para o próximo final de semana: aula na UNIFESP do Prof. Reynaldo Leite Martins Jr. A aula ser baseada no recente livro lançado por ele. Estou ainda lendo o livro e em breve vou colocar uma resenha aqui no blog.

Pesquei as palavras do professor no Facebook (já curtiu a página do blog no facebook? Não? Clique aqui!):

Aos colegas , no dia 19/11, sábado, estarei na Unifesp no período da tarde, para um curso sob o título “Disfunções temporomandibulares; esclarecendo a confusão”, a convite do Prof. Antônio Sérgio Guimarães, (o qual dispensa maiores apresentações), que falará pela manhã do mesmo dia sobre “Dor orofacial”.

No dia Anterior , sexta-feira, dia 18/11, a colega Vera Mestre falará o dia todo sobre imagens em DTM e Dor Orofacial.

Como normalmente as pessoas reclamam muito que nessa área, mais que em outras, “cada um fala uma coisa”, o meu conteúdo procurará esclarecer as razões de tantas diferenças em abordagens para um mesmo paciente, defendendo a idéia que, mais que diferenças de técnicas ou “filosofias” de tratamento, a maior parte da confusão se deve a desconhecimento de conceitos básicos em relação ao próprio termo “DTM”, e ainda o que sejam “ciência”, “conhecimento científico”, “odontologia baseada em evidências”, etc, termos que andam na moda, mas não são dominados por todos. Procurarei trabalhar alguns temas que já foram falados por aqui, como regressão à média, efeito placebo, talvez um pouco de toxina botulínica (rs)

Aos que puderem e tiverem interesse em comparecer, fica o convite.

Maiores informações podem ser obtidas com Silvia Abuchaim pelo email silvia.morf@epm.br ou pelos telefones (11) 5576-4261 / 5573-6547.

Obrigado

Abaixo segue charge do livro  “Disfunções temporomandibulares; esclarecendo a confusão”:

Para quem quiser comprar o livro, link aqui: http://www.livrariavitoria.com.br/livro.aspx?idLivro=A000000884

 

Para seguir: http://www.twitter.com/dororofacial

Para curtir: http://www.facebook.com/dororofacial

Convite! Lançamento de livro sobre Disfunção Temporomandibular

Olha só que boa novidade: o Prof. Reynaldo Leite Martins Junior pede para avisar que lançará o livro Disfunções Temporomandibulares – esclarecendo a confusão durante o VI Congresso do Comitê de Dor Orofacial da Sociedade Brasileira de Cefaleia. O congresso começará na quinta feira no hotel Maksoud Plaza em São Paulo, juntamente com o XXV Congresso Brasileiro de Cefaleia.

O lançamento será a partir das 17:30 hs na feira comercial do congresso!

Estão todos convidados! 🙂

E aproveitando a postagem, deixo o recado da presidente do congresso Profa. Dra. Renata Campi de Andrade Pizzo: quem for cirurgião-dentista e ainda quiser ir ao congresso, mas não fez sua adesão, a inscrição será ainda no valor com desconto!

VI Congresso de Dor Orofacial – Sociedade Brasileira de Cefaleia

Em setembro acontecerá em São Paulo a sexta edição do Congresso de Dor Orofacial paralelamente ao Congresso Brasileira de Cefaleia. O congresso acontecerá  no hotel Maksoud Plaza.

A Profa. Dra. Renata Campi de Andrade Pizzo, presidente do comitê de Dor Orofacial da Sociedade Brasileira de Cefaleia me enviou a programação do congresso para dividir com vocês.

Para verificar informações sobre inscrições, acesse o site do congresso. Para se inscrever clique aqui.

Serão dois dias de palestras, quinta e sexta, 15 e 16 de setembro. No sábado haverá apresentação oral de trabalhos selecionados.

Segue abaixo o programa:

15 de setembro:

O que há sobre DTM baseado em evidência científica e a prática clínica – Paulo Cesar R. Conti

Genética e Dor Orofacial: perspectivas futuras –  Paulo Cesar R. Conti

Mecanismos da Dor Orofacial –  Norma Fleming

Estado da arte sobre a relação fibromialgia e DTM –  Rafael Akira Murayama

Fatores de risco para a dor musculoesquelética mastigatória  – Rafael dos Santos Silva

Patologias reumatológicas sua relação com a DTM –  Renata Fernandes

Tratamento Fibromialgia e DTM: o que existe em comum? –  Amélia Pasqual Marques

Avaliação da alodinia na DTM e cefaleia –  Debora Bevilaqua Grossi

Importância Clínica das Placas Oclusais no tratamento das DTMs – Ricardo Tanus 

A importância da estabilização ortopédica da Oclusão nas DTMs –  Wagner de Oliveira 

Manejo clínico dos vários estágios do disco articular  – Ricardo Tanus

Diagnóstico por imagem: tomografia computadorizada e ressonância magnética –  Reynaldo Leite Martins Jr.

16 de setembro:

SAB e Odontalgia atípica: como proceder o tratamento?  – Jorge von Zuben

Articulação Temporomandibular em pacientes geriátricos – José Stechman Neto

Métodos intervencionistas em dor orofacial –  Frederico Gonçalves Mota Leite

O significado clínico do dignóstico diferencial em dores neuropáticas orofaciais –  José Tadeu Tesseroli de Siqueira

Genética e Dor Crônica –  José Geraldo Speciali

Avaliação sensitiva nas dores orofaciais neuropáticas –  Silvia Regina Dowgan Tesseroli de Siqueira

Neuralgias de ramos terminais do trigemeo: o que o dentista deve saber –  Renata Campi de Andrade Pizzo

Diagnóstico dos Disturbios do sono no paciente com dor orofacial: como proceder na clínica –  Cibele Dal Fabbro

Há relação entre bruxismo do sono, DTM e cefaleias primárias? –  Cinara Camparis

Bruxismo do sono: opções atuais de tratamento –  Juliana Stuginski Barbosa

Contribuição das DTMs na cronificação das cefaleias primárias –  Daniela Godoi Gonçalves

Cefaleia secundária a DTM de origem muscular ou CTT? Qual o diagnóstico? – José Luiz Peixoto

Diferença entre homem e mulher em relação à percepção da dor –  Wagner de Oliveira

Estado da arte do tratamento farmacológico nas DTMs –  Márcio Rodrigues Bittencourt

Falando nisso….

Aproveito a postagem para também divulgar os cursos em DTM e Dor Orofacial com inscrições abertas (para saber mais , clique nos links abaixo)!

Confiram na página de Cursos de DTM e Dor Orofacial!

Comunicado do CRO

A postagem de hoje vai fugir um pouco do tema DTM e Dor Orofacial.

Recebi via email um comunicado do Conselho Regional de Odontologia de São Paulo (CROSP) sobre a consulta pública número 42 da Agência Nacional de Saúde (ANS).

Eu não atendo pacientes por convênios odontológicos. Já atendi e sei o quanto somos desvalorizados por eles. O que ainda me motivou a escrever isso foi outro email, de uma operadora de convênios odontológicos com uma proposta. Costumo logo enviar para lixeira mas motivada pelo email do CRO resolvi dar uma olhada na proposta. RIDÍCULO. Valores: consulta – 8 reais, restauração de uma face – 10 reais. Ainda o convênio alega que atende pacientes de empresas grandes com atendimento de alto nível! Como assim??? Como conseguem?

Bem, isso não é da minha conta, quem quer se filiar e ralar muito para ganhar algum (isso significa atender muitos sabe-se lá como), boa sorte. Mas do jeito que a coisa anda, já sabemos quem fica com a maior parte da renda. E ainda, querem que o convênio odontológico seja anunciado como brinde!

Eu fiz a parte que acho que deveria, participei desta consulta pública.

Segue abaixo.

Abraços a todos!

ALERTA: PARTICIPE DA CONSULTA PÚBLICA 42 DA ANS

                    Cara colega:

O Conselho Regional de Odontologia de São Paulo alerta as cirurgiãs-dentistas do Estado de São Paulo sobre a Consulta Pública nº 42/2011, da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que dispõe sobre a concessão de bonificação aos beneficiários de planos privados de assistência à saúde pela participação em programas de promoção do envelhecimento ativo ao longo do curs o da vida.

No processo de divulgação da Consulta Pública nº 42 na imprensa, foi informado que dentre as premiações previstas, incluía-se a “oferta de planos odontológicos gratuitos”.

O Conselho Regional de Odontologia de São Paulo é favorável a criação de programas de promoção do envelhecimento ativo, entretanto, discorda frontalmente que, como forma de premiação, seja oferecida a possibilidade de oferta de planos odontológicos gratuitos.

Se há graves dificuldades na área de Odontologia Suplementar na atualidade, podem-se prever os riscos embutidos na proposta de oferta de planos odontológicos gratuitos. Portanto, solicitamos aos colegas que se manifestem no site da ANS, impreterivelmente, até o dia 14 de junho.

O processo é rápido e pode ser feito em até três minutos:                      

1-A colega acessa o link http://www.ans.gov.br/index.php/participacao-da-sociedade/consultas-publicas/582-consulta-publica-42# .

2-Ao entrar na página, a colega deve acessar o formulário na parte inferior do site, colocar “Art. 18” no campo “Seção” e “inclusão” no campo “tipo”. A seguir, a colega pode digitar no campo “texto proposto” a frase: “vedando-se a oferta de planos odontológicos gratuitos”.

3-No campo “justificativa”, pode-se colocar “Somos contrários à oferta de planos odontológicos gratuitos como forma de premiação, conforme noticiado pela imprensa”.

4-A seguir, a colega preenche os seus dados pessoais e clica para o envio da mensagem.

Colega, não se omita e não fique inerte. Participe da Consulta Pública nº 42 da ANS. Os três minutos que você despenderá para se manifestar serão de grande valia para a Odontologia e para a saúde bucal da população.

É importante que a mobilização seja coletiva e organizada. Para isso, o CROSP pede que ao participar individualmente, o cirurgião-dentista envie uma cópia da sua manifestação sobre a Consulta Pública nº 42 ao e-mail presidente@crosp.org.br.

Reunião dos especialistas em DTM e Dor Orofacial

Em janeiro de 2011, durante o Congresso Internacional de Odontologia de São Paulo, o CIOSP, aconteceu um encontro entre especialistas de Disfunção Temporomandibular (DTM) e Dor Orofacial para discutir rumos desta especialidade no Brasil.

Foram convidados por carta a comparecer todos os especialistas registrados no Conselho Federal de Odontologia (CFO) que gentilmente forneceu o endereço destes cirurgiões dentistas.

Foram enviadas 864 cartas, 86 dentistas confirmaram a presença e cerca de 65 compareceram. Eu fiquei muito feliz com a repercussão e espero que na próxima reunião mais colegas compareçam! A mobilização em torno da divulgação desta especialidade no Brasil é muito importante!

Segue abaixo trechos do texto escrito pelo colega José Luiz Peixoto Filho sobre a reunião:

“Na primeira parte da reunião foram proferidas três palestras curtas, onde o Dr. Reynaldo discorreu sobre a importância do conhecimento científico baseado em evidências nessa área e também a dificuldade de se fazer chegar ao Clínico Geral informações atuais bem fundamentadas sobre procedimentos de diagnóstico e tratamento, além de comentar sobre questões éticas relativas à aplicação clínica de procedimentos de diagnóstico e tratamento cuja eficiência ainda não estão adequadamente comprovadas. A ele seguiu-se o Dr. Paulo Conti que enfatizou a importância de se estabelecer um conteúdo curricular mínimo para ser ministrado em cursos de pós-graduação na área de DTM e Dor Orofacial, citando como modelo a ser seguido e adaptado a nossa realidade recente artigo publicado no Journal of Orofacial Pain (vol 24, n 4, 2010) que representa a visão da Academia Americana de Dor Orofacial (AAOP – American Academy of Orofacial Pain) sobre o assunto. Segundo ele, isso se faz necessário a fim de se diminuir a disparidade de procedimentos clínicos frequentemente observados no atendimento de pacientes sofredores de DTM.

O Dr. José Luiz fez a leitura e explicação da “Declaração Oficial de Informação sobre as DTM – AADR 2010” (disponível on-line em http://www.aadronline.org/i4a/pages/index.cfm?pageid=3465) que foi elaborada por membros do grupo de Neurociências da Academia de Pesquisa Odontológica Americana (American Academy of Dental Research) e que é considerada o texto de posicionamento oficial tanto dela quanto da Associação Internacional de Pesquisa Odontológica (International Association of Dental Research) sobre os temas diagnóstico e tratamento das DTM lançada em março de 2010 e presente tanto blogs brasileiros (www.rlmjdtm.ning.com e http://www.julianadentista.com) quanto em revistas internacionais de peso como a JADA, AJODO e OOOOE. Sobre ela, o Professor Charles Greene (que coordenou sua elaboração) emitiu a seguinte declaração: ”… é definitivamente verdade que a Declaração sobre as DTM que está no site da AADR pode ser reproduzida tanto on-line quanto em periódicos em todo o mundo. Ela é uma “Declaração de Informação Científica” direcionada tanto para o público em geral quanto para os clínicos que atuam nessa área.” A tradução do texto pode ser vista aqui.

Antes do intervalo, as apresentações foram debatidas com os colegas presentes finalizando com a manifestação da maior parte dos presentes da necessidade de se estudar a criação de uma entidade de especialistas nessa área com o objetivo de avançar tanto o conhecimento e ensino quanto a divulgação da especialidade no Brasil. Na segunda etapa do encontro, os colegas presentes foram divididos em dois grupos: um destinado a traçar metas para a criação dessa nova entidade e o outro destinado a estudar propostas relativas ao ensino da especialidade em cursos de graduação, pós-graduação e atualização profissional no Brasil.

…só com a mobilização dos especialistas brasileiros em DTM e Dor Orofacial a especialidade alcançará enfim o status profissional que merece tanto frente à área de Saúde em geral quanto ao público que necessita de atendimento especializado de qualidade.”