Toxina botulínica e bruxismo

A matéria acima saiu na Revista Enfoque aqui de Franca. É uma revista direcionada ao público leigo e a jornalista, quando me ligou, estava curiosa para saber mais sobre a aplicação da toxina botulínica no tratamento do bruxismo.

Para isso fez algumas perguntas por email que respondi. Infelizmente, nem tudo cabe em uma página, não é?

Quero agradecer a Rosana, jornalista da Enfoque Franca, pela oportunidade.

Segue abaixo as perguntas e minhas respostas!

1- O que vem a ser o bruxismo?

Segundo a Academia Americana de Dor Orofacial, bruxismo é o hábito de ranger, apertar, comprimir ou encostar os dentes que pode ser realizado tanto com a pessoa acordada, o que se denomina bruxismo em vigília, como com a pessoa dormindo, o bruxismo do sono. Segundo a Classificaçao Internacional dos Distúrbios do Sono, o bruxismo é um distúrbio de movimento relacionado ao sono, caracterizado por contrações repetidas da musculatura mastigatória.

Deve-se alertar que bruxismo não é um tipo de disfunção temporomandibular (DTM).


2- É possível atribuir uma (ou várias) causa (s) para o desenvolvimento do bruxismo?

Sim, com relação à etiologia e fisiopatologia podemos classificar o bruxismo em dois principais tipos: o primário e o secundário.

Bruxismo secundário é aquele que se inicia ou piora diante de algum fator. Hoje se sabe que o bruxismo pode ser secundário à algumas condições como refluxo gastroesofágico, distúrbios respiratórios do sono como síndrome da apneia obstrutiva do sono (SAOS), doença de Parkinson, coma, hemorragia cerebelar, paralisia cerebral, associado ao uso de tabaco, álcool, cocaína ou ainda ser um efeito colateral do uso de algumas medicações que inibem a recaptaçao da serotonina, como a fluoxetina, paroxetina, sertralina e venlafaxina.

Já no bruxismo do sono primário, o mais comum, não há uma causa definida. As hipóteses que buscam explicar o porquê ele ocorre, hoje se concentram em analisar alguns temas como estresse e ansiedade (atividade de catecolaminas como dopamina e serotonina, predisposição hereditária, papel do eixo hipotalâmico adrenérgico e amígdala central); o papel do neurotransmissor dopamina no cérebro e sua associação ao mecanismo de microdespertar (comum em alguns distúrbios do sono) e, ainda, o papel genético.

O bruxismo em vigília (apertamento dental quando estamos acordados) parece estar mais associado ao estresse e ansiedade e também à atividades que exigem concentração como uso de computador, vídeo game, trabalho, estudo, alguns exercícios físicos e até atividades manuais como croche e tricô.

Uma coisa importante: a posição em que se encontram os dentes na oclusão dentária não tem relação com a presença ou ausência de bruxismo.


3- Qual a fase da vida mais comum para o desenvolvimento do bruxismo?

O bruxismo do sono é muito mais comum durante a infância, e sua prevalência varia entre 14 a 38%. Já nos adultos sua prevalência gira em torno de 8% da população, sem distinção em relação ao sexo e tende a diminuir na terceira idade, com uma prevalência de cerca de 3%. Já o bruxismo em vigília atinge cerca de 20% da população, sendo mais comum em mulheres.


4- Como você mencionou, existem tipos distintos de bruxismo. Quais e como eles são diferenciados e diagnosticados?

Bem, o diagnóstico do bruxismo pode ser realizado por meio de questionários, da própria placa de mordida, alguns dispositivos eletrônicos ou a polissonografia.

O uso de questionários é o método mais utilizado nos consultórios odontológicos apesar de ser o menos fiel, uma vez que o bruxismo acontece de forma inconsciente. A Classificaçao Internacional dos Disturbios do Sono criou um questionário que utilizamos. A questão sobre o relato do companheiro de quarto ou familiares confirmando que o paciente produz ruídos de ranger os dentes pode confirmar a presença de bruxismo do sono. Lembrando-se que todos devem ser questionados com relação à presença de fatores que possam agravar ou causar o bruxismo, como no bruxismo secundário.

Alguns sinais e sintomas podem também auxiliar no diagnóstico como o desgaste dos dentes, restaurações ou próteses, quebras de restaurações (exceto por cárie) língua ou bochecha mordiscadas, presença de cansaço na face ou mesmo de sintomas de disfunção temporomandibular como dor na região da face, temporas ou ouvido.

É importante salientar que o desgaste dos dentes é uma cicatriz e não é possível determinar quando aconteceu, além do que outros hábitos podem também levar a isso como roer unhas ou morder objetos. Entao, checar os comportamentos orais também é importante.

Se o paciente range ou aperta os dentes também deixará marcas na placa de mordida quando esta é de acrílico, o que poderá ser examinado pelo cirurgião dentista.

O exame padrão ouro para o diagnóstico do bruxismo do sono é a polissonografia, que utilizamos sobretudo quando há suspeita de que o paciente apresente síndrome da apneia obstrutiva do sono (SAOS). A placa de mordida parece piorar os sintomas de SAOS e entao, devemos tomar cuidado no diagnóstico. Este exame é realizado em um laboratório do sono e devemos sempre contar com a avaliação médica nestes casos.

Existem tipos distintos de bruxismo e seu tratamento varia de acordo com seu tipo.

O bruxismo pode ser:

– do sono ou de vigília (acordado)

– primário ou secundário

– centrico (apertar os dentes) ou excêntrico (ranger de dentes)

Assim várias combinações podem ser feitas como por exemplo, bruxismo do sono primário excêntrico ou bruxismo em vigília secundário centrico, e assim por diante.


5- Quais os sintomas do bruxismo e os danos mais comuns aos pacientes?

Como já relatei os sinais e sintomas mais freqüentes são desgastes dentários, danos à restaurações, próteses, perdas de implantes dentários, língua e/ou bochecha mordiscada, fadiga na musculatura da face, rigidez na face ao acordar (às vezes associado com dificuldade de movimentação da boca). Em alguns pacientes o bruxismo parece estar associado à alguns sintomas ligados à DTM como dor principalmente na região das temporas e próximo ao ouvido.

Sabemos hoje que o bruxismo em vigília parece ser mais associado à dor por DTM.

O bruxismo, sobretudo os de longa duração, podem também prejudicar a qualidade do sono do paciente.


6- Não existe ainda um tratamento ou medicamento eficaz contra o bruxismo ou para o seu tratamento?
Como é feito o tratamento com os pacientes que desenvolvem essa disfunção?

Costumo dizer que para bruxismo ainda não há cura e sim controle. O tratamento deve ser reversível. Ortodontia e ajuste oclusal não são tratamentos indicados para controle do bruxismo!

Dependendo então do tipo de bruxismo, segue-se a um tratamento. Para o bruxismo secundário, é importante direcionar o tratamento inicialmente aos fatores que levam ou aumentam o número de eventos de bruxismo. Em crianças, por exemplo, o bruxismo pode ser acentuado pelos problemas respiratórios comuns nesta idade.

O tratamento para o bruxismo do sono normalmente envolve o uso de uma placa de mordida durante o sono. A placa não reduz os episódios de bruxismo a longo prazo, apenas protege os dentes, ATM, músculos, língua e bochechas de seus efeitos deletérios. A placa mais indicada é a de acrílico, feita sob medida para o paciente e ajustada para que todos os dentes toquem de maneira harmônica na mesma. A placa de silicone apresenta muitas desvantagens como a incapacidade de ajuste e, a longo prazo, abrasão dos dentes, além de poder rasgar, o que contra indica o seu uso. Não há também vantagens, pelo menos até o momento, no uso das placas pré fabricadas.

Outras técnicas podem ser associadas ao uso da placa para auxiliar no tratamento. O controle da ansiedade e estresse parece também ajudar no tratamento, bem como a terapia cognitivo comportamental.

A boa qualidade do sono é fundamental no tratamento e instruções sobre higiene do sono devem ser repassadas. Além disso, se durante o exame o paciente apresentar sinais e sintomas de outros distúrbios do sono, o mesmo deve ser encaminhado ao médico do sono para avaliação, diagnóstico e tratamento.

Talvez o tratamento do bruxismo seja mais eficaz quando se descobrir uma medicação que o amenize sem apresentar tantos efeitos colaterais. Algumas medicações foram testadas como uma medicação para reduzir a atividade cardíaca que acontece sempre antes de um evento de bruxismo do sono mas os efeitos colaterais foram terríveis, com queda de pressão brusca dos pacientes, o que não permite a sua prescrição.

Hoje o clonazepan parece apresentar um efeito de redução de eventos de bruxismo mas deve ser utilizado somente em casos especiais e com cautela. Talvez medicamentos que atuem em um estágio prévio identificado ao evento do bruxismo, denominado microdespertar,  possam ser uteis neste tratamento, mas as pesquisas na área estão apenas começando.

Para o bruxismo em vigília, tratamento aqui é direcionado a alertar o paciente, o tornando consciente para este hábito com auxílio de adesivos posicionados em lugares por onde o paciente circula e estimulá-lo a quando visualizar um destes adesivos, evitar de encostar os dentes. Um alerta no telefone celular também pode funcionar.


7- De acordo com seu comentário, existe apenas um estudo sobre a utilização da toxina botulínica para amenizar as dores e efeitos do bruxismo. Como foi possível chegar a essa conclusão?

Recentemente para uma aula que ministrei no Congresso Brasileiro de Cefaleia fiz um levantamento na literatura científica em busca de pesquisas que suportassem o uso da toxina botulínica em pacientes com bruxismo do sono. Encontrei cerca de 40 artigos publicados, 37 deles relatos de casos de pacientes com bruxismo secundário de difícil controle, como pacientes com problemas neurológicos e psiquiátricos. Três artigos relatavam pesquisas quem testaram a toxina botulínica mas apenas um estudo testou em pacientes com bruxismo do sono primário, o tipo de paciente mais comum. Para se entender o porquê de eu ainda não apoiar o uso desta terapia, preciso explicar como acontece um evento de bruxismo primário. Bem, ele tem início no cérebro. Um sinal adrenérgico muda momentaneamente as ondas elétricas cerebrais da pessoa que está dormindo, o que chamamos de microdespertar. Após a ocorrência do microdespertar, há um aumento na frequência cardíaca, tudo acontecendo em questões de milésimos de segundos. Só depois o cérebro envia um sinal para a musculatura mastigatória, através da liberação pelos nervos periféricos de acetilcolina, um neurotransmissor que faz os músculos se contraírem. É aqui que a toxina botulínica atua, ela impede a liberação da acetilcolina por um tempo, cerca de 4 a 6 meses. O problema é que a contração envolve todos os músculos da mastigação. Alguns músculos são internos e não podem ser infiltrados. Além disso, não se pode paralisar toda a musculatura pois esta também é responsável pela fala, mastigação, deglutição. Assim, a aplicação acontece em alguns pontos e não impede a ocorrência do bruxismo, apenas reduz a força com que ele ocorre, e isso a curto prazo, foi o que demonstrou a pesquisa realizada. Ainda, não há dados se há a redução do desgaste dentário ou dos danos causados pelo bruxismo. Hoje o uso da toxina botulínica é restrito a alguns casos e sobretudo a casos de bruxismo secundários a problemas neurológicos e psiquiátricos.


8- Gostaria que explicasse detalhadamente como ocorre a utilização da toxina botulínica para o tratamento do bruxismo e qual seria o custo médio desse tipo de aplicação (apenas para que eu tenha uma base), bem como o tempo que leva para esse tipo de tratamento, quais as suas indicações e quais os resultados que podem ser esperados em cada caso indicado.

Expliquei acima como age a toxina. O custo médio da aplicação varia no território nacional e segue os preços da toxina utilizada pelos médicos para fins estéticos. A duração do tratamento varia entre 4 a 6 meses e o que se espera é a redução (não cessação) da contração muscular. Podem ocorrer efeitos colaterais como hipotensão, náuseas, vômitos e, no caso da musculatura da face, disfagia e problemas com a fala.


9- Um dos pontos que conversamos a respeito do uso da toxina botulínica pelos profissionais de Odontologia é sobre os riscos das aplicações indiscriminadas principalmente para o uso estético por um profissional menos habilitado que um cirurgião plástico. Quais as implicações que esse tipo de uso poderia trazer aos pacientes?

A toxina botulínica para uso estético pelos cirurgiões dentistas foi proibido pelo Conselho Federal de Odontologia (CFO). Isso acontece em um momento onde há grande oferta de cursos de capacitação desta técnica e o marketing relacionado a esta substância é grande e atrativo tanto para o profissional como para o paciente. O que acontece é que a carga horária destes cursos é pequena e nem sempre a grade prepara o profissional para o diagnóstico das condições, como no caso do bruxismo. Infelizmente talvez os bons profissionais sejam prejudicados por aqueles menos preparados, uma vez que quando utilizado corretamente, com as indicações corretas, a terapia é eficaz.

9 pensamentos sobre “Toxina botulínica e bruxismo

  1. Parabens pela feliz entrevista, Juliana. Tratou-se de uma síntese bem elaborada e muito atual. Foi muito esclarecedora e de alto nível científico. Muito mais para dentistas-científicos do que para leigos. Abçs

      • dra juliana, parabens pela excelente materia, como todas as suas colocações sempre muito bem direcionadas!!! acompanho seu trabalho desde a espec. que fiz na EAP ABO/SC com o Prf° Garanhanhi Prf° PC Conti e Prf° DaSilva. E com base em evidencias cientificas ou estudo de pessoas com respaldo cientifico como o de vcs que me identifico! Gostaria de saber como podemos barrar um curso de Toxina Butolínica de 2 dias ministrado em Florianopolis para profissionais com o intúito de agregar valores em seus consultórios e não os casos de Dor especificos tão enfocados em cursoss de especialização de respeito!!!

      • Oi Raquel! Obrigada pelas palavras!
        Bem, eu nao sei se este seria o caminho para informar a respeito da toxina e suas indicaçoes. Como disse recentemente em um curso de DTM, nao sou radicalmente contra seu uso e sim, utilizo em casos específicos. Acho que cabe a nós informar os pacientes e os colegas do uso e as evidencias que existem nesta terapia (e tb as que nao existem). E deveria caber ao dentista senso crítico para separar joio do trigo. Vamos tentando!
        Abraços

  2. Pingback: OdontofoGUIA! #47 | Medo de Dentista

  3. Parabéns Dra Juliana pela excelente e esclarecedora materia.
    Sou aluno do curso do prof. João Henrique em Brasilia e estou aguardando ansioso pela sua aula. Foi publicado no Journal Oral and Maxillofacial Surgery deste mes um artigo intitulado “Botulinum Toxin A in the Treatment of Myofascial Pain and Dysfunction: The
    Case Against Its Use” do Prof Daniel Laskin. Vale a pena conferir!
    Abraços

  4. Juliana, impossível não visitar teu blog! Alto nível científico e assistencial.
    Grato, Carlos Baraldi

Os comentários estão desativados.