Oclusão X Bruxismo

Há algum tempo eu relatei aqui que em 2008 um número inteiro do Journal Oral Rehabilitation havia sido dedicado ao bruxismo.

Eu leio e releio sempre estes artigos e vou então fazer uma tradução livre de alguns trechos do artigo Physiology and pathology of sleep bruxism de Lavigne et al. que trata da relação oclusão X bruxismo, assunto ainda tão debatido…

Usar a interferência oclusal para explicar o bruxismo se tornou muito popular após a publicação de um estudo sugerindo que a oclusão poderia influenciar a atividade muscular, mas é importante notar que esta sugestão foi baseada em dados de eletromiografia gravados durante o dia

… Há uma falta de evidência que justifique a utilização de terapias oclusais para o tratamento de bruxismo…

…Foi sugerido que o contato dental ocorra por aproximadamente 17,5 minutos durante 24 horas…

…A atividade muscular relacionada com o bruxismo do sono ocorre aproximadamente por 8 minutos durante todo o período de sono, que usualmente dura de 7 a 9 horas.

O fato de alguns pacientes relatarem alívio do que eles relatam ser um “desconforto dental”, dor, cefaleia após reabilitação oral e tratamento ortodôntico não é prova suficiente para justificar tratamento extensivo. Outros fatores como a relação paciente e dentista, a crença do paciente no tratamento mecânico intervencionista, o carisma do dentista e a melhora natural com a flutuação dos sinais e sintomas durante o longo e extensivo tratamento dental podem contribuir para o relato subjetivo da satisfação do paciente.

Ainda segundo o artigo, o debate permanece em aberto uma vez que faltam estudos com metodologia adequada.

Acho que pelo que conhecemos da fisiopatologia do bruxismo do sono (central e não periférica), o tratamento com ajuste da oclusão para esta condição não se sustentará… O que vc acha?

4 pensamentos sobre “Oclusão X Bruxismo

  1. Olá Juliana ! Só acho que os cursos voltados as DTM – pouco estudam e sabem sobre a importância da anatomia oclusal . Não sabem esculpir corretamente a anatomia dental, a grande maioria. Acho meio rídiculo a odontologia se apoiar tanto nas placas de mordidas e nelas vemos poucas mudanças . Não há estudo, como se devia,do reflexo neuro muscular , fala-se muito sobre bruxismo e apresentam poucos resultados .

    • Olá Sérgio! Obrigada por comentar. Bem, eu acho que conhecer a anatomia dental é fundamental ao dentista, mas o ensino da escultura dental em cursos para DTM não faz sentido, muito menos para tratamento do bruxismo. Há uma revisão sistemática que conclui, por exemplo, que ajuste oclusal não é efetivo para o tratamento da DTM.

  2. As respostas sobre o BS caminham para uma condição talvez neurológica, talvez microdespertares por problemas respiratórios, talvez neurotransmissores, OK? Os coitados dos dentes e dos músculos sofrem a consequência e, num passado ainda não tão distante, levavam a culpa!!

  3. Dª Juliana,diante de tantos argumentos relativos à DTM ainda sem definições concretas,só posso acreditar que bruxísmo,tem tudo a ver com o estado psicológico de todos nós,o sintoma de ultrason detectado no ranger de dentes,é consequência.Obrigado e dê continuidade às pesquisas. Renato Diniz.

Os comentários estão desativados.