Cefaleia hípnica – rara mas pode ocorrer

Nos últimos tempos venho acompanhando o movimento de esclarecimento da população que dor de cabeça pode ser um sintoma ligado a Disfunção Temporomandibular. Acho positiva a divulgação mas creio que para lidar com este sintoma o dentista deve estar preparado.

Por que?

Bem, primeiro porque a cefaleia atribuída única e exclusivamente a uma DTM não é tão comum assim. Os pacientes com DTM que procuram a clínica de Dor Orofacial apresentam comumente cefaleia primária como comorbidade, sobretudo a Migrânea (vulgarmente denominada enxaqueca). Leia o texto Cefaleia e DTM que publiquei aqui!

Nestes casos é importante o diagnóstico diferencial e encaminhar o paciente aos cuidados do neurologista, especialmente, cefaliatras (conheça a Sociedade Brasileira de Cefaleia).

Mas o que também acontece quando divulgamos que somos especialistas em DTM e Dor Orofacial é que aumentam o número de pacientes com outras cefaleias que buscam entender se esta é atribuída a DTM e de profissionais que querem entender mais sobre isso. É de suma importância que o profissional conheça a Classificação Internacional das Cefaleias e os tipos de cefaleia primária e secundária.

Foi assim que auxiliamos no diagnóstico de alguns casos incomuns em nossa clínica, entre eles, o caso de Cefaleia Hípnica atendido no curso de Especialização em DTM e Dor Orofacial do Bauru Orofacial Pain Group e  recentemente apresentado no III Congresso Brasileiro de Dor Orofacial, onde recebeu Menção Honrosa como trabalho de Relato de  Caso.

(Aproveito para parabenizar todos os alunos e membros do Bauru Orofacial Pain Group que apresentaram seus trabalhos brilhantemente. Para quem quiser ler os trabalhos, clique aqui e acesse os Anais.)

O que trouxe a paciente a clínica?

Ora, ela também achou que poderia ser uma cefaleia atribuída a DTM. A queixa era uma cefaleia cefaleia frontal, bilateral,com eventual presença de náusea. As crises de cefaleia eram recorrentes há 2 meses. A dor ocorria somente durante o sono, o que fazia a paciente levantar,  em pressão, forte e com duração de 1 hora, se repetindo quase todas as noites. A ingestão de antinflamatórios,que resultaram em melhora mas não remissão total da dor. Não havia relato de outros sintomas.

cefaleia.001.jpeg

E apresentava DTM?

Não! Nada em Articulação Temporomandibular (ATM) ou em musculatura que justificasse ou reproduzisse a cefaleia.

E como desconfiamos desta cefaleia?

Pois conhecemos a classificação e logo contatamos o Prof. Dr. José Geraldo Speciali, neurologista e professor senior da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto – USP, que nos auxiliou no diagnóstico diferencial. A paciente foi orientada e encaminhada.

E o controle da dor?

A cefaleia neste caso foi controlada através do uso de cafeína antes de dormir.

 

Este não foi o primeiro e creio que não será o último caso em que a cefaleia primária e incomum é confundida com DTM. No último módulo atendemos uma paciente com provável cefaleia por esforço físico, por exemplo e já até publicamos um relato de caso de hemicrania paroxística coexistindo  com DTM.

Peço cuidado a você colega, que pensa em intervir em alguma cefaleia: é preciso conhecer mais.

A Classificação Internacional de Cefaleias é acessível a qualquer profissional e sua leitura e consulta obrigatória aos especialistas em Dor Orofacial.

A cefaleia hípnica está descrita no capítulo 4 no item 4.9 das cefaleias primárias:

4.9 Cefaleia hípnica

Termos previamente utilizados:

Síndrome da cefaleia hípnica, cefaleia do despertador.

Descrição:

Episódios de cefaleia que recorrem frequentemente eapenas durante o sono, levando ao despertar, que duramaté 4 horas, sem sintomas acompanhantes característicose que não se atribuem a outra patologia.

Critérios de diagnóstico:

  1. Episódios de cefaleia recorrente preenchendo os crité-rios de B a E
  2. Só aparece durante o sono e acorda o doente
  3. Ocorre ≥ 10 dias por mês durante> 3 meses
  4. Dura ≥ 15 minutos e até um máximo de 4 horas após o

acordar

  1. Não há sintomas autonómicos cranianos nem agitaçãoD. Não melhor explicada por outro diagnóstico da ICHD-3

beta.

Comentários:

A 4.9 Cefaleia hípnica em geral começa depois dos 50 anos, mas pode ocorrer em pessoas mais jovens. A dor égeralmente ligeira a moderada, mas pode ser intensa emcerca de um quinto dos doentes. A dor é bilateral, em cerca de dois terços dos casos. As crises duram habitualmente entre 15 e 180 minutos, mas têm sido descritos casos com maior duração. A maioria dos casos é persistente, com cefaleias diárias ou quase diárias, mas pode ocorrer uma subforma episódica (inferior a 15 dias por mês). Embora se pensasse que a 4.9 Cefaleia hípnica tinha as características da cefaleia tipo tensão, estudos mais recentes mostraram que estes doentes podem ter caraterísticas tipo migranosas e alguns podem ter náuseas durante as crises.

O início da 4.9 Cefaleia hípnica provavelmente não se relaciona com a fase do sono. Um estudo de ressonância magnética mostrou uma redução da substância cinzenta no hipotâlamo em doentes com 4.9 Cefaleia hípnica.

Em vários casos descritos, o lítio, a cafeína, a melatonina e a indometacina foram terapêuticas eficazes. Para uma intervenção eficaz é necessário fazer a distinção entre esta cefaleia e um dos subtipos da 3. Cefaleias Trigêmino-Autonômicas, especialmente 3.1 Cefaleia em salvas. Outras causas de cefaleia, que ocorrem e levam ao despertar, durante a noite, devem ser excluídas, particularmente, a apneia do sono, a hipertensão noturna, a hipoglicemia e a por abuso medicamentoso; a patologia intracraniana deve ser também excluída. Contudo, a presença de apneia do sono não exclui necessariamente o diagnóstico de 4.9 Cefaleia hípnica.

Fonte: Classificação Internacional das Cefaleias, 2013, versão Portuguesa.

A prevalência desta cefaleia é desconhecida. Estima-se que no ambulatório especializado em cefaleias, os casos de cefaleia hípnica seja em torno de 0,07 a 0,35%. A cefaleia acontece durante estritamente durante o sono, entre 2 e 4 horas da manhã. Quando acordam com a cefaleia, o comportamento é levantar e fazer alguma atividade como beber água, ler ou ver TV (diferente da migrânea, onde pacientes buscam repouso, e cefaleia em salvas, onde ficam muito agitados).

A hipótese neurofisiológica mostra que pode haver envolvimento do hipotálamo, uma vez que segue o ritmo circadiano, o que foi demostrado em estudo de imagem onde o hipotálamo posterior apresenta redução em substância cinzenta. Há estudos que mostram estar ligados a fase REM do sono, onde atividade no núcleo dorsal da rafe e locus coerulei foi ligada ao inicio da cefaleia, o que pode ser associado a um distúrbio ligado a modulação de dor. Mas também há estudos relatando que a cefaleia poderia ser associada a fase 2 de sono NREM. Ainda há muita especulação sobre a forma de ocorrência.

Leia mais sobre isso aqui.

Sobre o uso da cafeína  na dor, sugiro a leitura desta revisão gratuita: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/pmid/27642573/

É isso! Querendo estudar com a gente, venha fazer especialização em DTM e Dor Orofacial em Bauru. Clique aqui e leia as informações!

Falando nisso…

É importante evitar sobre tratamento. Sempre buscar o diagnóstico correto para as dores apresentadas pelo paciente. Iatrogenias são comuns em clínicas odontológicas quando o diagnóstico não é preciso.

Falando nisso, estarei em Campinas, dia 11/08 para o curso Odontalgias não Odontogênicas. Entre elas falaremos das dores neuropáticas pós procedimentos odontológicos.

Afinal, você já viu um caso de dor no dente cujo diagnóstico foi complicado? Já atendeu pacientes que mesmo após endodontia persistem percebendo dor em dente, mesmo após cicatrização? Já atendeu pacientes que desenvolveram dores após implantodontia, mesmo osseointegrados e com imagem satisfatória?

Este curso de imersão traz casos clínicos que podem surgir na clínica e que além de trazerem dúvidas para os clínicos, infelizmente, caem em iatrogenia!

Venha estudar conosco! Todos os trabalhos citados estarão disponíveis para download.

😷 Odontalgias não Odontogênicas

💡Curso de Imersão

⏰8 horas de duração

📅 11/08/2017

📍Campinas, SP

💻 www.imajon.com.br

📧curso.flavia@imajon.com.br

☎️ (19) 99118 2962 – WhatsApp

Site Bacana

Antigamente havia uma sessão aqui no blog chamada Site do Mês.

Mas como deixei de atualizar sempre, perdeu um pouco o sentido. Assim, quando eu ver algo interessante, vou chamar de Site Bacana.

O Site Bacana de hoje é o Pesquisa em Dor. Este foi fundado por um grupo de pesquisadores que incluem fisioterapeutas, psicólogos, físicos, entre outros e é um local muito bacana para buscar informações que podem contribuir para o atendimento clínico ao paciente com dor. O lema é “entender para modificar a dor” e é algo que acho fundamental.

pesquisa em dor.001

No dia dia do consultório percebo o quanto explicar ao paciente detalhadamente os motivos pelo qual ele está percebendo dor, baseado na neurofisiologia, numa linguagem simples porém nem por isso incompleta, faz a diferença.

As sessões do site incluem o blog, onde você pode ler recentes resultados de pesquisa sobre dor, área para os pacientes e área para profissionais.

Na área de pacientes as explicações aparecem de forma lúdica e didática, o que atiça a curiosidade e facilita o entendimento. Veja por exemplo Caminho da Recuperação.

A área para profissionais reunem ferramentas que podemos utilizar na nossa rotina clínica (inclusive a escala de cinesiofobia que já falamos aqui), manual para utilizar o caminho da recuperação com seu paciente e algo que acho essencial: estratégias para educar seu paciente com relação a dor.

Não deixem de visitar o site!

Aproveite e leia também sobre o site Pain in Motion.

 

 

Sites com teses sobre dor orofacial

teses-downalod-001

Hoje estava navegando na rede social Research Gate quando me deparei com alguns projetos de pesquisa na área de DTM e Dor Orofacial.

Dentre estes projetos estava a pesquisa que gerou a tese de Doutorado de Mohammad Al-Harthy, orientado pelo professor Thomas List e que teve como co orientadores Ambra Michelotti (que estará aqui no Brasil em Junho no Congresso Brasileiro de Dor Orofacial! Saiba mais em http://bit.ly/sbdof2017),  Richard Ohrbach,  Ewacarin Ekberg

Mohammad Al-Harthy escreveu sobre as diferenças culturais em pacientes com DTM e realizou um estudo multicêntrico. Clique aqui e leia o trabalho que rendeu 4 artigos (a tese é em formato de artigo).

Além desta é possível vasculhar todo o acervo de teses desta Universidade (clique aqui) e buscar especificamente o assunto que lhe interessa pelas palavras chave (temporomandibular e orofacial, por exemplo).

 

Esta tese me fez lembrar que há uma outra fonte de trabalhos gratuitos para quem quiser estudar DTM e Dor Orofacial: as teses e dissertações que ficam disponíveis online!

Isso me fez lembrar que em  2010 escrevi no blog sobre este assunto mostrando os sites de Universidades Brasileiras que disponibilizavam as teses para leitura.

Estes são os links que citei na época.

http://www.teses.usp.br

http://cutter.unicamp.br/

http://www.athena.biblioteca.unesp.br

http://www.bdtd.unifesp.br

O site do Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia também dá acesso a teses e dissertações de todo o Brasil, mas para que você encontre as abertas, você deve clicar em openacess depois da busca (está no menu do lado esquerdo!). É bacana porque reune várias instituições do Brasil! Fiz uma busca e encontrei 360 trabalhos com a palavra temporomandibular no título. É coisa pra caramba!

Segue o link: http://bdtd.ibict.br/vufind/

Na Faculdade de Odontologia de Bauru – USP, professor Paulo Conti já orientou vários trabalhos interessantes e 25 deles estão disponíveis para download gratuito no site Teses USP (em português, gratuito… imagine que é como ler 25 livros sobre o assunto!). 

Não perca a chance de ampliar seu conhecimento sobre DTM e Dor Orofacial!

Boa semana a todos!

Falando nisso….

Recebi a informação que poucas vagas estão disponíveis para o curso de Atualização em DTM e Dor Orofacial do Bauru Orofacial Pain Group, coordenado pelo Prof. Paulo Conti.

Se você está interessado, corra e aguarde sua vaga! 🙂

Informações com Tamires no 14 32341919 ou contato@ieobauru.com.br

ultimas-vagas-001

Onde eu atendo os pacientes com DTM?

Eu acho que nunca escrevi aqui no blog sobre meus locais de atendimento, apesar de sempre no menu estarem localizados estes endereços.

Mas sabe resolução de 2017? Então, resolvi que neste ano vou divulgar mais os locais onde recebo pacientes ansiosos para o controle de suas dores, disfunções e bruxismo.

Para isso ano passado fiz um site totalmente novo, voltado para o público leigo no endereço: www.dentistajuliana.com.br

c2efd2041c5ed347d4c86aae2a8213ed

O site é informativo e aos poucos estou atualizando os textos.

Uma das coisas bacanas que resolvi colocar é um teste de sintomas de DTM. Assim, antes da visita, o paciente pode perceber dados relevantes sobre sua queixa.

captura-de-tela-2017-01-17-as-16-12-18

Ainda, acompanhando as novas tendências, intensificamos o contato via Whatsapp com números específicos para os dois consultórios. Hoje atendo em Ribeirão Preto e Franca.

propaganda-consultorio3-001

Além deste atendimento particular, faço parte do Bauru Orofacial Pain Group e auxilio atendimentos nas clínicas de DTM e Dor Orofacial no IEO-Bauru uma vez no mês. Lá o atendimento é de baixo custo (mais informações 14-3234 1919).

Assim, caso precisem ser atendidos ou mesmo encaminhar pacientes, estão aí meus contatos!

Falando nisso….

E por falar nos cursos de Bauru, o curso de Atualização em DTM e Dor Orofacial coordenado pelo Prof. Paulo Conti está com vagas quase esgotadas! Corra! Início dia 16/02/2017 e com novidades! 🙂

curso-ieo-001

 

Rapidinhas: webinar sobre exercícios físicos e dor

Assisti esta aula no Congresso Mundial de Dor e achei muito bacana!

Agora acontecerá dia 18/11 um Webinar (se você não sabe é tipo um seminário via internet).

É gratuito mas você precisa registrar-se. Aproveite que tanto a palestrante como os debatedores são de primeira linha!  Link aqui!

unnamed

captura-de-tela-2016-10-31-as-15-16-25

É preciso falar sobre Mamilos!

Hoje o tema não tem relação com Dor Orofacial (quem sabe no futuro terá não?). O negócio é colocar o Mamilos para fora!
Mamilos é o nome simpático de um podcast capitaneado por Cris Bartis e Juliana Wallauer,   que integra o site B9.
Podcasts são programas de rádio feitos para a internet (juro que tentei alguma definição melhor e não consegui, alguém quer opinar?). Ouvir podcast é uma das coisas que mais gosto de fazer atualmente. Isso porque consigo organizar algumas ideias, conhecer coisas novas, ter assunto para a mesa do bar!
Adoro o Mamilos primeiro porque o formato me faz pensar, treinar meu pensamento crítico. Toda a semana as apresentadoras buscam temas polêmicos e relevantes para discutir. É o que elas chamam de “Teta da Semana”. Esta teta já foi a maioridade penal, violência, pena de morte, aborto, cotas raciais, educação… Para conversar sobre este assunto, além de uma pesquisa, elas convidam pessoas que sejam pro ou contra um argumento ou que sejam especialistas no assunto. Nem sempre, por exigir a disponibilidade para estar em um estúdio de gravação, os dois lados são contemplados mas, mesmo assim, você pode até ouvir algo que não concorde mas é aí que está a beleza da coisa! Como elas mesmas disseram em um dos programas recentes, conhecer um argumento contrário ao seu pensamento faz com que você argumente a favor com mais embasamento! Precisamos falar, mas precisamos ouvir!
E não é só de “Teta da Semana”que vive o Mamilos. Antes de entrar no assunto principal há o Trending Topics, onde as meninas falam sobre os assuntos mais discutidos nas redes sociais durante a semana e ainda, um quadro que adoro, bem no finalzinho do programa o “Farol Acesso”, onde as apresentadoras e seus convidados deixam dicas de livros, séries, música etc…
Captura de Tela 2015-04-20 às 22.40.05
Mas eu também preciso contar como entrei neste mundo de Podcasts!
Quem me conhece de perto sabe que me tornei fã de Podcasts há alguns anos, desde que comecei a dirigir entre Franca, Ribeirão Preto e Bauru. Passo até 3 horas dirigindo e chegou uma hora em que conseguia ouvir 30 segundos de uma música e logo enjoava e pulava para frente. Foi quando estes “programinhas” de rádio me conquistaram. Baixei um aplicativo para smartphone para ouvir o podcast da Bia Kunze, a Garota sem Fio. Dele já na navegação encontrei outros de tecnologia (assunto que também adoro). O hábito já estava instalado. Um dia, lendo o meu blog favorito de viagem (Viaje na Viagem) vi que o Ricardo Freire havia gravado uma participação no podcast Braincast do B9. E pronto! Paixão a primeira ouvida! Já perdi as contas para quantas pessoas indiquei o Braincast, rs….
Depois vieram tantos outros! Hoje dirijo dando risada sozinha (para isso ouvir o Nerdcast é certeiro, fã do Azaghal), me imaginando dentro de um filme com o Escriba Café (melhor produção de podcast, na minha opinião), ou só contando os minutos para ouvir o Qual é a Boa? (se o Cris Dias estiver na mesa a ansiedade aumenta!).
Enfim, escolhi o Mamilos para divulgar mas acho que tenho que agradecer a todos que fazem estes programinhas pela quantidade de informação, diversão e cultura que nos passam!
 Claro que não dá para ouvir todos que saem, então escolho pelo tema abordado! Baixem um aplicativo para seu smartphone ou ouça pelo soundcloud. E para quem quer começar a ouvir, segue uma pequena lista com links (clique no nome para acesso)! Explorem!! 🙂
  • Mamilos: os memes, trending topics e polêmicas.
  • Braincast: discussão sobre comunicação, cultura, entretenimento. Muito bom! Ouça! Ah! e veja depois no Youtube os vídeos do quadro “Qual é a boa?”. Ótimas dicas!
  • Escriba Café: podcast impressionante pela qualidade! Quando escuto parece que estou dentro de um filme! Sobre história. Ouvi recentemente três episódios sobre o Império Romano e foram de cair o queixo.
  • Nerdcast: o mundo pop vira piada no Jovem Nerd. Adoro os episódios Nerdtour! De rolar de rir. E os de história como da Guerra dos Rosas ou sobre a Revolução Francesa.
  • Diário de um elefante: dicas bem rápidas sobre o uso do Evernote (meu caderno para tudo, inclusive para escrever este post)
  • Dama do vinho: podcast da Alessandra Esteves que tem como propósito ensinar sobre vinhos, aromas e sabores em programas com  cerca de 10 minutos de duração.
  • Anticast: sobre design, comunicação, filosofia e cultura. Por Ivan Mizanzuk, Rafael Ancara e Marcos Beccari.
  • Zing!: com os jornalistas Alexandre Maron e Luciana Obniski discutindo cultura pop. Foi uma série de 10 programas que com certeza terá continuação!
  • Osmozzy: novo podcast capitaneado por Saulo Mileti que busca discutir vários temas sobre comunicação e cultura.
  • Mupoca: podcast de filosofia de boteco (como eles definem), rs… Bem, o grande segredo é descobrir o que é na verdade Mupoca.
  • MacMagazine no Ar: ouço quando quero saber das novidades do mundo Apple. Rafael Fishmann, Eduardo Marques e Breno Mais são fanboys sempre antenados!
  • HappyHourTech: mais um de tecnologia, mas como toque de descontração.
  • Serial: podcast americano que mexeu com a cabeça dos ouvintes. Foi uma série de programas investigativos sobre uma história real de uma pessoa aprisionada.  Será que ele mesmo que cometeu este crime?
Ei! Escuta um podcast e gosta muito? Me conta qual é! Deixe seu comentário!
(Às vezes é bom sair do mundo da Dor Orofacial, não?! Volto em breve!).