Aniversário com livro!

blog 5 anos.001

E chegou quase ao final do mês de Fevereiro! Parecia que eu tinha esquecido, mas não: o blog este mês completa 5 anos de existência!!! Nossa! Como passou rápido, impressionante!

E eu só tenho a agradecer a existência deste espaço. Através dele consigo contar a todo mundo o que penso, o que vejo, e até o que sinto em algumas vezes. Isso para mim é importante demais porque existe uma troca. A cada email recebido, a cada pergunta feita, a cada crítica declarada, a cada “Ei, você não é a Juliana do Blog?”, eu me sinto estimulada a continuar escrevendo por aqui e isso também significa estudar, aprender, compreender, experimentar.

Obrigada a cada um de vocês que me acompanham por aqui!

E olhem só a novidade: semana passada recebi um exemplar do livro “Disfunções Temporomandibulares: uma abordagem clínica” dos colegas Ricardo Tanus Valle, Eduardo Grossmann e Renata Silva Melo Fernandes.

ivro.001

Escrever e organizar um livro não é tarefa fácil! Parabenizo aos autores e especialmente ao querido amigo Ricardo Tanus que me convidou para que dividisse com ele o capítulo sobre Bruxismo (vocês já sabem que é um dos meus assuntos favoritos, né?) e que ainda enviou o exemplar com uma dedicatória tão bacana!

A ideia dos autores foi que o livro atingisse o profissional através de uma linguagem e temática próxima a realidade do dia dia da clínica. O resultado é um livro com temas importantes. de leitura fácil, e com capricho excepcional. A qualidade das figuras é de cair o queixo!

Para saber mais sobre o livro, clique aqui.

Agora a grande notícia: não recebi um exemplar, recebi DOIS! Um veio de presente de aniversário para o blog! E aí então, quem acompanha desde o começo já sabe, um vai de presente para um leitor, que pode ser você! 🙂

Entretanto não dá pra sortear o livro. Como bem me lembra todo mês o blog 2Beauty (sim, adoro blogs de moda e afins, você acha que a ideia deste blog surgiu como? rs…),  se o sorteio não for registrado com a Caixa, eu levo multa.

Ao invés de sortear, escolherei aleatoriamente quem receberá os produtos. Para isso basta responder ao questionário abaixo! É bem rápido!

A data limite é 08 de março de 2015!

Livro – Dores Orofaciais: diagnóstico e tratamento

Recentemente foi lançado o livro Dores Orofaciais: diagnóstico e tratamento dos professores José Tadeu Tesseroli de Siqueira e Manoel Jacobsen Teixeira. Comentei aqui no blog em outra postagem. Hoje vou falar um pouquinho sobre o livro em si.

Para mim teve um sabor especial receber esta segunda edição. A primeira edição lançada em 2001 foi um livro que li, reli, grifei e aprendi bastante pois até conhecê-lo eu praticamente desconhecia a dor orofacial. Meu conhecimento limitava-se às DTMs. E depois disso, em 2002 fui até um congresso para assistir a palestra sobre Síndrome da Ardência Bucal (SAB) com os professores Siqueira e Cibele Nasri. Nem preciso contar a história depois, não é?

É impossível não notar nesta segunda edição, com 816 páginas, a evolução, que cursa com a da própria especialidade de DTM e Dor Orofacial, criada em 2002.

O primeiro capítulo, assim como o abre alas de uma escola de samba, dá o tom e faz uma introdução do que vem por aí. Se em 2001 a introdução falava sobre a necessidade de retornar ao ponto zero e além de estudar as DTMs, deveríamos aprender sobre dor, seus mecanismos, consequências e como controlar, em 2012 os desafios são outros. Como está escrito em um subtítulo do primeiro capítulo: da Disfunção da ATM à Dor Crônica. Educação e treinamento em dor, inserção do cirurgião dentista em equipes multidisciplinares, na saúde pública e os desafios da Odontologia brasileira são alguns dos temas abordados neste primeiro capítulo e que permeiam por todos os outros.

De “breve histórico e perspectivas“agora passa a ser “evolução e desafios“. Este realmente é o momento da especialidade.

O número de capítulos e colaboradores também aumentou, como não podia deixar de ser. Na colaboração participam nomes importantes na área de dor de todo o mundo com também ex-alunos formados na Equipe de Dor Orofacial (EDOF/HC), hoje integrada ao Centro de Dor da Divisão de Neurologia do Hospital das Clínicas de São Paulo. O avanço tanto no ensino como na pesquisa realizada por este grupo é relatado nas páginas do  livro de maneira leve, com o que sempre falamos aqui no blog também: a aproximação dos resultados de pesquisas clínicas e laboratoriais à rotina do consultório. A presença também de casos clínicos ao final de alguns capítulos auxiliam neste processo.

Como não podia deixar de ser, o primeiro capítulo que li quando recebi foi o de SAB. Fiquei feliz ao ler sua atualização, clara, de fácil entendimento! Neste capítulo é possível encontrar a ficha clínica utilizada para especificamente avaliar o paciente com queixa de ardência bucal. E é deste capítulo que subtrai a figura abaixo, com destaque à citação do médico oncologista Jerome Groopman.

Recomendo a todos que buscam compreender melhor este tema tão amplo que é a dor orofacial.

Especialmente gostaria de agradecer ao professor Siqueira pela dedicação, carinho e competência ao compartilhar seus conhecimentos e de seus colaboradores nesta nova edição!

Quem quiser adquirir o livro, cá está o link: http://www.grupoa.com.br/site/biociencias/1/42/47/5615/5616/0/dores-orofaciais.aspx

Convite! Lançamento de livro sobre Disfunção Temporomandibular

Olha só que boa novidade: o Prof. Reynaldo Leite Martins Junior pede para avisar que lançará o livro Disfunções Temporomandibulares – esclarecendo a confusão durante o VI Congresso do Comitê de Dor Orofacial da Sociedade Brasileira de Cefaleia. O congresso começará na quinta feira no hotel Maksoud Plaza em São Paulo, juntamente com o XXV Congresso Brasileiro de Cefaleia.

O lançamento será a partir das 17:30 hs na feira comercial do congresso!

Estão todos convidados! 🙂

E aproveitando a postagem, deixo o recado da presidente do congresso Profa. Dra. Renata Campi de Andrade Pizzo: quem for cirurgião-dentista e ainda quiser ir ao congresso, mas não fez sua adesão, a inscrição será ainda no valor com desconto!

Livro sobre avaliação da dor

Recebi  um email do Professor José Aparecido da Silva do Departamento de Psicologia da FFCLRP-USP-Campus de Ribeirão Preto sobre um livro que ele e os professores Nilton Pinto Ribeiro-Filho (UFRJ) e Elton Hiroshi Matsushima (UFF) acabam de publicar sobre a mensuração da dor. O livro se chama Mensurando o quinto sinal vital: a dor. Segue abaixo a resenha sobre a obra:

Funpec Editora – R$39,80

 

No final dos anos 90, a dor veio a ser considerada como “o quinto sinal vital” na literatura médica. Seu registro rotineiro após temperatura, pulsação, pressão arterial e respiração, passou a se constituir a imprescindível responsabilidade do clínico para atender adequadamente ao sofrimento dos pacientes que estão a seu cuidado. Por causa disso, o uso de escalas de mensuração de dor, sejam verbais, faciais ou numéricas, foi incorporado dentro de variados contextos clínicos e, muitas delas, tornaram-se populares para médicos e enfermeiras que, freqüentemente, usam-nas para mensurar a dor. Este desenvolvimento também parece reforçar a validade dos métodos adotados pelos clínicos para avaliar a eficácia de diferentes analgésicos. Dor que, registrada como um “quinto sinal vital”, de acordo com os registros dos pacientes, varia em severidade ao longo do tempo, colocando o fenômeno pareado a outros parâmetros clínicos objetivos. De fato, avaliar a dor forma a pedra fundamental de seu tratamento. Sem uma avaliação adequada os clínicos não podem saber se suas intervenções são efetivas ou não. Medidas confiáveis e válidas de dor também são críticas para compreender a eficiência de analgésicos e de outros tratamentos em práticas clínicas. Por ser a avaliação de dor necessária ao seu tratamento efetivo, tudo o que contribui para um maior conhecimento sobre sua mensuração, também contribui para diminuí-la e aliviar o sofrimento por ela causado. Este livro, Mensurando o quinto sinal vital: a dor contribui, de maneira importante e significativa, para se compreender a avaliação de dor, pois, direta ou indiretamente, muitos indivíduos que padecem de dor se beneficiarão, substancialmente, desta obra. O livro é prático. Nele são enfocados os temas centrais acerca da avaliação de dor, incluindo informações fundamentais e necessárias sobre mensuração, psicometria e psicofísica. Ele também fornece ao leitor informações-chave sobre as escalas clínicas, unidimensionais e multidimensionais, mais comumente empregadas para avaliar e mensurar a dor. Os autores realizaram uma grandiosa tarefa que beneficiará muitos indivíduos, principalmente, e talvez por isso o mais importante, aqueles que sofrem de algesias desnecessárias.

Quem quiser adquirir o livro, entre em contato com o professor pelo email: jadsilva@ffclrp.usp.br

Ortodontia X DTM

Já perdi as contas de quantos artigos sobre a relação Ortodontia X DTM já li. De modo geral as pesquisas apontam para uma associação fraca ou nula, ou seja, nem a Ortodontia seria tratamento para DTM (nem mesmo preventivo), nem uma DTM seria provocada por um tratamento ortodôntico.

Um dia recebi um email do amigo João Henrique Padula de Brasília solicitando que, se fosse possível, eu respondesse à algumas perguntas feitas por ortodontistas amigos dele. Ok, rapidamente, na hora do almoço, respondi a todas elas. Descobri depois o intuito destes ortodontistas em fazerem um manual sobre o assunto. E mais perguntas foram chegando… rs

O resultado foi lançado no Congresso Internacional de São Paulo (CIOSP) em Janeiro deste ano: um livro com a proposta de orientar o ortodontista com o que há de mais recente na literatura sobre a relação Ortodontia e DTM.

Este livro é o Manual de Ortodontia X DTM: Ciências e Mitos.

O livro foi organizado pelo Kleper Queiroz e tem uma série de autores:

Alessandra Avelar Costa, Fernando Queiroz, Glauber Gimenez Bastidas, Jorge Von Zuben, João Henrique Padula, José Artur Cunha Pupo, Juliana Stuginski Barbosa, Kepler Queiroz, Maurício A. C. Guimarães, Reynaldo Leite Martins Junior, Rodrigo Wendel dos Santos e Thalia Barcelos Domingues.

Eu escrevi as respostas do capítulo Dúvidas Frequentes!

Abaixo uma amostra grátis deste capítulo:

“Estalos e sons articulares são considerados problemas de DTM?”

São sinais de DTM. Para se caracterizar DTM deve-se utilizar algum critério de diagnóstico. Os ruídos articulares podem ser característicos de deslocamento de disco com redução (estalos) ou osteoartrose (crepitação), por exemplo.

Quem se interessar pelo livro pode adquiri-lo pelo link:

http://www.livrariatota.com.br/livraria/product_info.php?products_id=1938&osCsid=pmh9lohoej6fdtqur57pt3uar6

Apesar de já conhecermos a especialidade DTM e Dor Orofacial, os profissionais da saúde quando vêem necessidade de encaminhar um paciente com sinais e sintomas de DTM o fazem ao Ortodontista. E qual o problema disso? O problema é que nem todos os cursos de Ortodontia preparam o aluno para o atendimento ao paciente com DTM. Veja bem que não estou falando TODOS os cursos e sim a maioria.

Quando escrevi o post “Onde dói” dei um exemplo fictício porém muito frequente disso.

Aos Ortodontias: se a demanda de seu consultório requer que você atenda pacientes com DTM e Dor Orofacial, estude mais sobre o assunto. Fazer um curso, seja inicialmente de atualização ou mesmo de especialização pode ser um caminho.

E por falar em caminho, esta semana pesquisando na revista Journal of Applied Oral Sciences de Bauru, encontrei um artigo interessante, publicado em 2007 por Ana Cláudia Castro Ferreira Conti e colaboradores  que orienta os ortodontistas a realizarem exames para DTM! Veja que muito que escrevi está neste artigo.

O link: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1678-77572007000100016&lng=en&nrm=iso

Boa leitura!

Atualizando:

Ortodontia X DTM: o estado da arte – texto de Paulo Conti disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_pdf&pid=S1415-54192009000600002&lng=en&nrm=iso&tlng=pt