Trismo: um sinal, vários motivos

Eu sempre faço alguns prints de coisas que quero usar em aula, que são interessantes e coloco em uma pasta (é a versão digital do recorte de jornal, rs…).
Hoje abri a pasta e me deparei com uma tabela denominada “Causas de Trismo”.
Acho super importante listar os motivos pelo qual o paciente não consegue abrir a boca. Quando começarmos a estudar um assunto pensamos que o sinal sempre é em decorrência de um diagnóstico mais comum.
Trismo por exemplo, em quem começa na área de DTM, imediatamente tem como primeiro pensamento: deslocamento de disco sem redução da ATM. Apesar de ser um dos problemas mais comuns, devemos ficar atentos e realizar diagnóstico de todos os possíveis motivos pelo qual a boca não abre quando não se consegue atribuir à causa mais típica. A ideia é partir do mais comum aos diagnósticos menos comuns e para isso recomendo que vocês estudem os sinais e sintomas de cada uma das patologias listadas abaixo.
Vamos a lista?
trismo-001
Segue abaixo:
Infecção
Os trismo pode ter como fator causal processos infecciosos que podem ser odontogênicos (mais comuns) ou não. Entre os odontogênicos as principais causas são: pulpar, periodontal e pericoronal. Os três casos podem envolver, por exemplo, abcessos.
Entre as causas não odontogênicas estão: abcesso ao redor das tonsilas (conto sempre em aula do caso que atendi que era abcesso retrofaringeo), em parótida, submassetérico, infratemporal e outros processos como meningite,  encefalite e até tétano.
Trauma
Devemos sempre questionar históricos de trauma. Se o paciente relata  trauma, as principais causas de trismo são fratura de mandíbula, de arco zigomático, de base de crânio, e presença de corpo estranho. Histórico de trauma pode levar a miosite ossificante (tipo de DTM muscular bem rara, aguarde post sobre ela em breve) ou fibrose muscular pós trauma, queimadura ou cirurgia.
Relacionada a tratamento odontológico
Inflamação dos tecidos ou músculos pós exodontia de terceiros molares (dentes do ciso) é a causa mais comum desta categoria. Atém disso, trauma pela agulha (ou até infecção) em bloqueios anestésico do nervo alveolar inferior (mandibular) também ocorre com certa frequência. São citadas nesta categoria também: hematoma com fibrose também pós bloqueio do alveolar inferior e cicatriz tecidual pós dissecção muscular realizada em cirurgia (é raro mas tive uma paciente assim há uns 10 anos atrás).
Disfunção Temporomandibular
Agora sim, vamos lá a categoria mais comum no consultório do especialista em DTM e Dor Orofacial! Quando pensamos em trismo, podemos logo atribuir a um problema mecânico da ATM, o que realmente é o grande vilão do travamento fechado. Nesta categoria entra o deslocamento do disco sem redução. Mas outros problemas podem levar a trismo que podemos denominar de articulares: osteoartrites, artrites reumatóides, fibroses e anquiloses.
Mas tem um tipo de DTM que tem relação com trismo e algumas pessoas esquecem que é o trismo muscular por dor miofascial (que pode ainda se agravar se o paciente apresentar cinesiofobia). O diagnóstico diferencial entre problemas articulares e musculares deve ser realizado! O uso de spray gelado seguido de alongamento ou manobras para travamento fechado fazem parte do arsenal diagnóstico nestes casos na clínica, além de claro, os exames de imagem para quadros articulares.
Tumores (primários ou metástases)
Invasão tumoral em músculos mastigatórios, ATM ou ramo da mandíbula. (Aproveitem e leiam a postagem que fiz sobre Síndrome do Queixo Dormente – a paciente apresentava metástase do temos de câncer de mama nas vértebras cervicais – preciso atualizar lá!).
Radioterapia
Osteorradionecrose e fibrose pós radiação são as condições citadas nesta categoria.
Congênita
A hipótese mais comum é a hiperplasia do processo coronóide (há uma artigo do Bauru Orofacial Pain Group de 2012 com um relato de caso sobre isso, leia aqui).
Aqui também se encaixa a síndrome raríssima chamada Síndrome de Hecht ou Dutch-Kennedy.
Doenças Sistêmicas
Há relatos de trismo por lupus eritematoso, esclerosadaderma e arterite temporal (leia aqui postagem sobre este assunto).
Problemas relacionados ao Sistema Nervoso Central
Acidente cerebrais vasculares, esclerose múltipla, compressão vascular do nervo trigêmeo e doença de Parkison são condições que podem apresentar trismo em sua sintomatologia.
Causas diversas
Aqui nesta categoria encaixa-se todo o resto. Uma das causas mais comuns, que acompanha muitas vezes a DTM muscular, como citei, é a Cinesiofobia (paciente com medo do movimento de abrir a boca) e devemos saber identificar e educar o paciente com relação a isso.
Mais raros aparece nesta categoria a doença de Gaucher (genética e progressiva).
Pronto, lista colocada. Infelizmente salvei a tabela e não o artigo de onde a retirei. Terei que vasculhar o computador aqui!
Lembre-se, trismo é um sinal e não um problema em si. Procure as possíveis causas.
Abraços e boa semana a todos!

4 anos!

blog.001

 

4 anos, 233.170 visualizações, 1387 comentários, 3589 curtidas na página do Facebook, 1604 seguidores no Twitter depois aqui estou eu para agradecer a vocês leitores assíduos ou eventuais, colegas de profissão, profissionais da saúde e pacientes.

Não contabilizei o número de emails que já recebi através desta página mas são centenas.

O trabalho não é fácil, às vezes (muitas vezes) reclamo da falta de tempo, mas na medida do possível faço a minha parte para divulgar a Dor Orofacial em todas suas vertentes.

Aproveite e relembre os posts mais lidos de todos os tempos no blog (Top 10!):

1. Ardência bucal… Afinal o que pode ser?

2. Manobras para (des)travamento – parte 1

3. Trismo, quando a boca não consegue abrir.

4. Disfunção temporomandibular

5. Neuralgia do trigêmeo

6. Barodontalgia: dor em dente por diferença em pressão atmosférica.

7. Manobra para (des)travamento – parte 2

8. Arterite temporal

9. Bruxismo infantil

10. Controle do bruxismo infantil

 

4 x obrigada! 🙂

Arterite temporal

A dor facial no idoso pode ser de difícil diagnóstico, especialmente se não conhecermos as patologias que podem gerar dor na região temporal e em face e disfunção na mastigação.

Hoje o dentista conhece bem a DTM (não é mesmo??) mas ele deve se lembrar de ampliar os horizontes e desconfiar de sintomas incomuns a própria disfunção. Entre os diagnósticos que podem confundir o clínico e que acometem mais a população idosa está a arterite temporal, cuja incidência maior ocorre a partir dos 50 anos de idade, sendo nove vezes mais freqüente na nona década de vida do que na sexta.

A arterite pode ocorrer em qualquer vaso e o próprio nome já remete à inflamação de artérias. Um dos sintomas comuns é cefaleia. Esta é normalmente unilateral, latejante e moderada a grave. Durante a palpação da região temporal sente-se a artéria temporal proeminente, tortuosa, muito sensível e dilatada.

O que é interessante notar é que durante pequenos movimentos mandibulares não há dor, entretanto, se estes movimentos aumentam (por exemplo, durante o almoço ou mascando chicletes), há presença de dor e esta se eleva significantemente, a ponto do paciente parar o movimento. Este termo recebe o nome de claudicação mandibular e ocorre por uma insuficiência de circulação arterial e tem como resultado déficit de suprimento do oxigênio. Essa dor passa após alguns minutos sem movimentar a mandíbula.

A conseqüência mais grave da arterite temporal é a perda parcial ou completa da visão em um ou ambos os olhos, que ocorre em um terço dos pacientes. Pacientes afetados inicialmente relatam um escurecimento da visão de um doa olhos que pode progredir. Se não tratado a tempo, em 1 a 2 semanas o outro olho pode ser afetado.  Os exames hematológicos revelam velocidade de hemossedimentação de eritrócitos aumentada (VHS). A patologia pode ser confirmada após a biópsia da artéria, cujo resultado revela arterite de células gigantes. Assim, encaminhem rapidamente este paciente ao médico, para que o tratamento seja iniciado o mais rápido possível. Conhecer diagnósticos diferenciais é extremamente importante para a qualidade de vida do paciente que você irá atender!

Para saber mais: Livro: Dores bucofaciais de Bell de Jeffrey Okeson

Artigos: Clark GT, Minakuchi H, Lotaif AC. Orofacial Pain and Sensory Disorders in the Elderly. Dent Clin N Am 49 (2005) 343–362

Carlo Salvarani, Fabrizio Cantini, Gene G Hunder. Polymyalgia rheumatica and giant-cell arteritis. Lancet 2008; 372: 234–45