Pensamento crítico


Estou lendo o livro Critical Thinking: understanding and evaluating dental research do Prof. Dr. Donald Brunette. O livro tem como lema: seja um consumidor sofisticado da literatura odontológica.

Na contracapa há a promessa de  (se você ler claro) desenvolver as habilidades necessárias para reconhecer e selecionar artigos de boa qualdiade, avaliar os desenhos experimentais e a estratégia de pesquisa e detectar erros típicos e abusos da estatística.

Ok, você pode dizer, sou um profissional da saúde clínico, gosto de atendimentos e não de pesquisa, mas hoje em dia, com o número imenso de informações pipocando por aí na internet, o acesso mais fácil aos estudos científicos, o número grande de cursos, é importantíssimo separar o joio do trigo, ou seja, a boa da má informação.

Este livro me faz pensar bastante sobre isso e o quanto é comum me confrontar com situações que o autor classifica como falácias de nenhuma evidência (afirmações) e também falácias de evidências insuficientes ou inapropriadas.

A publicidade usa de artifícios de afirmação o tempo todo, como na propaganda da cerveja X, onde a praia é linda cheia de mulheres. Isso leva os homens bobos a supor que a cerveja seja também excelente.

Na área da saúde não é diferente. Quem nunca presenciou uma técnica sendo repetida como uma afirmação mesmo sem provas, simplesmente porque as pessoas acreditam nela ou particularmente quando o palestrante tem um quê de superioridade? Recentemente, num grande congresso de Dor Orofacial, um professor, quando questionado onde se baseava a sua técnica para tratamento, simplesmente respondeu, nos 1000 casos tratados no meu consultório. Qual a credibilidade disso? Quem me prova que é verdade? Quem acreditou nisso?

Dúvido que você que está lendo o que eu escrevo agora não tenha se deparado com esta situação! Especialmente os dentistas têm uma atração por aparelhos, dispositivos intraorais, (como faço?, onde compro?) mas dificilmente se questionam, se esta técnica ou dispositivo funciona melhor do que  já é utilizado. O método em que a técnica ou dispositivo foi testado é válido? Foi testado??

Existe um fabricante de placas de mordida que sempre me oferece cursos de treinamento (recebo via email). Fui verificar o que esta placa tinha de diferente para eu precisar comprá-la e me submeter a um curso para utilizá-la. Entrei no site e na parte de bibliografia haviam inúmeros artigos, em letras tão pequenas que precisei do zoom. O que estavam lá? Muitas pesquisas sobre o dispositivo? Não. Estavam artigos bem conhecidos sobre DTM e bruxismo, até mesmo uma citação do artigo do Costen!

Me engana que eu gosto?


Aproveitando este texto desabafo, no blog Entendendo a Dor Orofacial do Odonto 1, há um texto excelente sobre Odontologia Baseada em Evidências escrito pelo Prof. Reynaldo Martins Jr. que sugiro que todos leiam! Serve para qualquer especialidade e profissão! Gaste uns minutinhos por lá! Segue o link: http://www.odonto1.com/blogs/julianabarbosa/?p=549

Atualizando: o blog não existe mais… E o livro está esgotado…

Segue um trechinho do texto:

Se o acesso às informações não é mais problema, a dificuldade agora é outra: são muitas as informações disponíveis, e o clínico não parece preparado, na maioria das vezes, para separar a boa da má informação, tendo como conseqüência uma resistência a uma prática baseada em evidências científicas. Nesse contexto, não é incomum ouvirmos frases como “cada um fala uma coisa” e “os pesquisadores (ou professores) não se entendem” , resultando em uma regressão ao modelo anterior, baseado em crenças, tradição e principalmente opiniões de profissionais com os quais o clínico se identifique (através de cursos, artigos do tipo tutorial ou ponto-de-vista, e livros) .

 

Essa situação ocorre basicamente por desconhecimento do que seja Ciência de maneira geral, e Odontologia Baseada em Evidências, de maneira particular, fruto de um sistema educacional que leva a aluno a “aprender” e “reproduzir” sem ser estimulado a pensar, questionar, descobrir por si as respostas. Faremos algumas breves considerações sobre esses pontos.

5 pensamentos sobre “Pensamento crítico

  1. Maravilha!!! reenviei seu pensamento a todos os colegas dentistas que conheço. Assino embaixo tudo o que vc disse.
    Só há uma maneira de fazer uma odontologia de qualidade:
    basear-se em ciência.
    Margarete

  2. Realmente se faz necessário que façamos uma reflexão sobre o tema no todo e de forma bem racional clara e simples como foi apresentado aqui neste maravilhoso texto .Isto realmente o que acontece aqui e no site do Dr Reynaldo é fazer ciência é viver a ciêdncia é compartilhar dividir e multiplicar a ciência em parte e no todo . Fica aqui uma reflexão para que possamos verificar a efetividades dos dogmas e dos Deuses que apresentam em simposios e congressos , que a odontologia no todo e em parte não é refèm de um grupo ou uma naçao ou de um sistema monetário escravagista que vivemos .Se faz necessário exercitar a massa cinzenta de cada um para que possa divuldir ideias e ideais para um bem comum geral a ODONTOLOGIA BASEADA EM EVIDENCIAS.

    Um grande abraço a todos

    Alexandre Eduardo de Olveira Gomes

  3. Pingback: Mais de 105 mil visitas!! | Por dentro da Dor Orofacial

Os comentários estão desativados.