Recado aos fisioterapeutas

Hoje é dia dos Fisioterapeutas! E eu tenho um recado a eles:

 Leiam este artigo: http://www.springerlink.com/content/9l5750n12566g1g4/fulltext.pdf

E sobre o que é?

Este artigo relata a importância da abordagem multidisciplinar do paciente com cefaleia, do valor significativo da fisioterapia e clama por uma maior divulgação internacional do tema, em hospitais, faculdades e clínicas.

É o que podemos realmente chamar TIME, todos unidos em prol da melhora da qualidade de vida do paciente.

Eu tenho admiração por muitos fisioterapeutas, mas quero agradecer por estarem na minha vida duas delas:

  • Edmara Cristina Salomão, minha amiga querida que despertou em mim o gosto por estudar DTM e Dor Orofacial como já contei aqui.
  • Profa. Dra. Débora Bevilaqua Grossi, pessoa sábia, querida, comunicativa que me ajudou muito quando foi banca do meu mestrado e que sempre traz ideias novas para o estudo da dor e consequentemente para aprimorar o tratamento dos pacientes com cefaleia e DTM. É dela o recado. Ela passou quando palestrou no último congresso do comite de Dor Orofacial da Sociedade Brasileira de Cefaleia.

A Edmara, a Débora, a Thaís, Maria Cláudia, Gabriela Carvalho, Gabriela Ferracini, Anamaria, Lidiane, Harumi, Suzana (Suuuu), Dani Marcelino e a tantos outros fisioterapeutas que fazem parte aqui da minha vida, meus parabéns não só pelo dia de hoje mas pela dedicaçao de toda a vida! Sintam-se abraçados! 🙂

 

VI Congresso de Dor Orofacial – Sociedade Brasileira de Cefaleia

Em setembro acontecerá em São Paulo a sexta edição do Congresso de Dor Orofacial paralelamente ao Congresso Brasileira de Cefaleia. O congresso acontecerá  no hotel Maksoud Plaza.

A Profa. Dra. Renata Campi de Andrade Pizzo, presidente do comitê de Dor Orofacial da Sociedade Brasileira de Cefaleia me enviou a programação do congresso para dividir com vocês.

Para verificar informações sobre inscrições, acesse o site do congresso. Para se inscrever clique aqui.

Serão dois dias de palestras, quinta e sexta, 15 e 16 de setembro. No sábado haverá apresentação oral de trabalhos selecionados.

Segue abaixo o programa:

15 de setembro:

O que há sobre DTM baseado em evidência científica e a prática clínica – Paulo Cesar R. Conti

Genética e Dor Orofacial: perspectivas futuras –  Paulo Cesar R. Conti

Mecanismos da Dor Orofacial –  Norma Fleming

Estado da arte sobre a relação fibromialgia e DTM –  Rafael Akira Murayama

Fatores de risco para a dor musculoesquelética mastigatória  – Rafael dos Santos Silva

Patologias reumatológicas sua relação com a DTM –  Renata Fernandes

Tratamento Fibromialgia e DTM: o que existe em comum? –  Amélia Pasqual Marques

Avaliação da alodinia na DTM e cefaleia –  Debora Bevilaqua Grossi

Importância Clínica das Placas Oclusais no tratamento das DTMs – Ricardo Tanus 

A importância da estabilização ortopédica da Oclusão nas DTMs –  Wagner de Oliveira 

Manejo clínico dos vários estágios do disco articular  – Ricardo Tanus

Diagnóstico por imagem: tomografia computadorizada e ressonância magnética –  Reynaldo Leite Martins Jr.

16 de setembro:

SAB e Odontalgia atípica: como proceder o tratamento?  – Jorge von Zuben

Articulação Temporomandibular em pacientes geriátricos – José Stechman Neto

Métodos intervencionistas em dor orofacial –  Frederico Gonçalves Mota Leite

O significado clínico do dignóstico diferencial em dores neuropáticas orofaciais –  José Tadeu Tesseroli de Siqueira

Genética e Dor Crônica –  José Geraldo Speciali

Avaliação sensitiva nas dores orofaciais neuropáticas –  Silvia Regina Dowgan Tesseroli de Siqueira

Neuralgias de ramos terminais do trigemeo: o que o dentista deve saber –  Renata Campi de Andrade Pizzo

Diagnóstico dos Disturbios do sono no paciente com dor orofacial: como proceder na clínica –  Cibele Dal Fabbro

Há relação entre bruxismo do sono, DTM e cefaleias primárias? –  Cinara Camparis

Bruxismo do sono: opções atuais de tratamento –  Juliana Stuginski Barbosa

Contribuição das DTMs na cronificação das cefaleias primárias –  Daniela Godoi Gonçalves

Cefaleia secundária a DTM de origem muscular ou CTT? Qual o diagnóstico? – José Luiz Peixoto

Diferença entre homem e mulher em relação à percepção da dor –  Wagner de Oliveira

Estado da arte do tratamento farmacológico nas DTMs –  Márcio Rodrigues Bittencourt

Falando nisso….

Aproveito a postagem para também divulgar os cursos em DTM e Dor Orofacial com inscrições abertas (para saber mais , clique nos links abaixo)!

Confiram na página de Cursos de DTM e Dor Orofacial!