A decisão clínica baseada em evidências

Há algumas semanas atrás o colega cirurgião-dentista Ricardo Aranha me enviou um texto de sua autoria sobre o tema saúde baseada em evidências. Achei bem interessante e compartilho aqui com vocês!

Boa leitura!!

O método científico tem como uma de suas bases o livro “Discurso do Método” de René Descartes, do séc. XVII. A noção da confirmação do que era até então reconhecido pelos 5 sentidos através de testes, refutação, repetições sistematizadas e confrontação de ideias teve por lá seu berço e vem evoluindo à revelia do senso comum. A ciência nasce como uma conquista humanitária, contrapondo-se a crenças, preconceitos de todo tipo e autoritarismo dogmático formal ou informal ao longo da história. Infelizmente enfrentou e enfrenta imenso desconhecimento ou mesmo simples desconsideração de suas bases teóricas, mesmo com toda parafernália tecnológica atual à disposição e todo acesso à informação (um luxo, até certo tempo atrás). Como nasceu de constructos humanos, não poderia ser perfeita. Muitas vezes é distorcida, falseada e mal utilizada, mas nada disso tira sua grandeza e sua utilidade prática inestimável. Nem mesmo a força de discursos obscuros em redes sociais da internet ressaltando “tradição, moralidade, histórias pontuais, mitos, etc.”

De um tempo para cá muito se fala em evidências científicas e suas aplicações no mundo real. No caso da área de saúde, surgiu a “Medicina Baseada em Evidências” (MBE) – que apesar de propiciar críticas e debates produtivos, é também inevitavelmente alvo de incompreensão generalizada e de ataques infundados. A MBE, com origem filosófica que remonta ao século XIX ou ainda antes, é definida como “uso consciencioso, explícito e criterioso da melhor evidência atual na tomada de decisões sobre o tratamento do indivíduo, o que significa integrar a experiência clínica individual com a melhor evidência clínica externa disponível proveniente da busca sistemática de informações.” (Sackett D, 1996). O termo mais amplo “Prática Baseada em Evidências” (PBE), cunhado por Gordon Guyatt em 1992 e que utiliza os mesmos princípios, integra outras áreas de saúde para além da medicina no mesmo escopo. Seu método de busca por respostas à questões clínicas parte do princípio da hierarquia construída a partir de trabalhos de atestada qualidade (pirâmide de evidências), a identificação e busca por estes mesmos trabalhos e ao final sua leitura crítica. Daí então o processo expande-se para além da nua e crua leitura de resultados acadêmicos, formando um  “tripé mental” construído por: realidade e experiência do profissional, vontades e valores do paciente e a melhor evidência científica disponível no momento.

Reformulando e complementando, é preciso também acrescentar que, tal como indica a nomenclatura de origem “medicina baseada em evidências”, sua base é sempre constituída de (boas) evidências e daí a decisão clínica deve sempre partir. Só então, como camadas que são acrescentadas sucessivamente, considera-se a informação do contexto do paciente, sua realidade e as vivências e habilidades do clínico (e até mesmo, porque não: um pouco de criatividade). Mas é importante salientar que esta ordem NUNCA deve ser invertida. Os maiores problemas aparecem quando a evidência científica vem como um “anexo” a posteriori, ou ainda pior, nunca vem…

Assim, um médico que se permita substituir a correta e necessária vacinação contra a febre amarela, por exemplo, por procedimentos ditos “alternativos” está desconsiderando a base de evidências e superestimando o contexto social, hábitos e tradições (muitas das quais inadequadas). Está inadvertidamente deformando por deslocamento sua base de decisão – e este não é o processo mais virtuoso: a  partir daí nada pode ser considerado seguro e prevalecem os hábitos, crenças e vícios mentais obscuros; as consequências podem ser graves, algumas vezes até mesmo fatais.

Um outro exemplo clássico, mas na direção oposta, seria o do medicamento Canabidiol, oriundo da folha da maconha e que é utilizado em casos graves de epilepsia. À época seu uso foi devidamente legalizado no Brasil, mesmo na ausência da melhor evidência e considerando apenas relatos de casos e estudos de menor peso científico, também sua segurança clínica e o fato de não existirem definitivamente outras opções com a mesma performance terapêutica para aquela patologia específica. Considerou-se, neste caso, a melhor evidência disponível, a gravidade e sofrimento causado pela doença (realidade do paciente) e a viabilidade clínica do tratamento. Pode-se considerar que foram satisfeitos os princípios da PBE.

A evidência científica não deve ser encarada como uma prisão mental ou um dogma. Ciência não poderia mesmo ser assim. A própria orientação da PBE sinaliza, em seu “tripé decisório,” a importância de informações sobre contexto humano e social do paciente e sobre a realidade e expertise do clínico. Não há exclusão, nunca houve. Há sim, com certeza, e ainda haverá, muita desinformação.

 

“ De modo que o maior proveito que eu retirava era aprender, vendo várias coisas que, embora nos pareçam extravagantes e ridículas, não deixam de ser comumente aceitas e aprovadas por outros grandes povos, a não crer muito firmemente naquilo que me fora persuadido apenas pelo exemplo e o costume, e assim a livrar-me aos poucos de muitos erros que podem ofuscar nossa luz natural e nos tornar menos capazes de ouvir a razão.”

 

Descartes, séc XVII

 

 

REFERÊNCIAS

 

Descartes, René. Discurso do método. Tradução, prefácio e notas de João Cruz Costa. São Paulo: Ed de Ouro, 1970. Disponível para download em: Domínio Público; http://www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/PesquisaObraForm.jsp

 

Sackett David L, Rosenberg William M C, Gray J A Muir, Haynes R Brian, Richardson W Scott. Evidence based medicine: what it is and what it isn’t BMJ 1996; 312 :71

 

Guyatt, G.H., Haynes, R.B., Jaeschke, R.Z., & Cook, D.J. (2000). Users’ guides to the medical literature: XXV. evidence-based medicine: principles for applying the users’ guides to patient care. JAMA 2000; 284: 1290-1296. doi: http://dx.doi.org/10.1001/jama.284.10.1290

 

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. Aprova o uso compassivo do canabidiol para o tratamento de epilepsias da criança e do adolescente refratárias aos tratamentos convencionais. Resolução n. 2.113, de 16 de dezembro de 2014.

 

Galvão MA, Santos MAC. Medicina baseada em evidências: o conhecimento sempre em construção. Resid Pediatr. 2015;5(1):5 DOI: https://doi.org/10.25060/residpediatr-2015.v5n1-01

Dr Ricardo Aranha

Ricardo Luiz de Barreto Aranha Possui graduação em Odontologia pela Universidade Federal de Minas Gerais(1996), especialização em Ortodontia pela Faculdade Ingá(2014) e especialização em Morfologia – Desordens da ATM e Músculos da Mastigação pela Universidade Federal de São Paulo(2002). Atualmente é Cirurgião dentista especialista dor e DTM da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte e Dentista especialista em DTM dor orofacial da Prefeitura Municipal de Betim. Tem experiência na área de Odontologia, com ênfase em Dor orofacial / DTM.

2 pensamentos sobre “A decisão clínica baseada em evidências

Os comentários estão desativados.