Rapidinhas: Dica de Webinário

A IASP (Associação Internacional de Estudo da Dor ) promove em 2016 o ano de combate a Dor Articular.

Pois bem, hoje recebi via email um convite para webinário que achei interessante e dentro desta temática: o papel dos anticorpos na dor articular por artrite reumatóide. O foco será a dor persistente.

Como sabemos a artrite reumatóide pode atingir as articulações temporomandibulares (ATM) e devemos conhecer o tratamento médico realizado pata esta condição para entender os casos que recebemos, sobretudo os crônicos.

Esta é uma ótima oportunidade!

A aula será pela internet e em seguida acontecerá um debate.

Captura de Tela 2016-04-05 às 16.35.02.png

Acontecerá na terça-feira, dia 19/04.

Seguem detalhes do evento:

Here is an abstract of Svensson’s talk:
Joint pain in rheumatoid arthritis (RA) often precedes joint inflammation and may persist even after successful anti-inflammatory treatment. RA is a chronic autoimmune disease, and one type of neuroimmune interaction that has recently received some attention is the potential pathogenic role of autoantibodies in maladaptive pain states. We have addressed the possibility that anti-collagen type II (CII) antibodies and anti-citrullinated protein antibodies (ACPAs), present in patients with RA, may be directly responsible for the induction of pain, independent of inflammation. For example, we found that mice injected with either human ACPA IgG purified from RA patients, or murinized monoclonal ACPAs generated from synovial B cells from RA patients, developed long-lasting, pronounced evoked and spontaneous pain-like behavior in the absence of visible and histological signs of inflammation. Non-ACPA IgG from RA patients or control monoclonal IgG were without pro-nociceptive effects. We coupled this to an ACPA-mediated increase in osteoclast activity and subsequent release of pro-nociceptive CXCL1 (IL-8) release. This presentation will highlight roles of autoantibodies in the patho­genesis of persistent pain states and focus on mechanisms by which CII antibodies and ACPAs activate sensory neurons in particular. The identification of novel contributions of autoantibodies to persistent pain may aid in the development of new treatment strategies, not only for pain in RA, but also for pain in other conditions associated with autoantibody production.

Audience participation is encouraged—get ready to submit your questions live to our panel of experts! 
During the live discussion, participants will be able to submit questions to the panel. You can also submit questions now, by emailing them to neil@painresearchforum.org.

The webinar is free but registration is required.
Register here.

Veja a página com mais explicações: http://www.painresearchforum.org/forums/webinar/65510-webinar-role-autoantibodies-rheumatoid-arthritis-joint-pain

 

Falando nisso…

A professora e pesquisadora Liete Zwir estará também no II Encontro Paranaense da SBDOF falando sobre degeneração em ATM.

Vale a pena assistir a aula da Liete! Eu garanto! 🙂

Inscrições em www.gapedor.com.br

Slide Divulgaçao Liete.001

 

O uso do ácido hialurônico no tratamento da DTM

Semana passada foi noticiado no site da Sociedade Brasileira de DTM e Dor Orofacial (SBDOF) que uma comissão interna elaborou um parecer sobre o uso do ácido hialurônico no tratamento da DTM articular. Este parecer contou com revisão da literatura atual para ter evidências suficientes que apoiasse o uso. A conclusão do parecer foi:

“conclui-se que a viscosuplementação da Articulação Temporomandibular (ATM) com o Hialuronato de Sódio apresenta evidência com força e grau de recomendação suficiente para declarar sua segurança no tratamento de diversas condições que afetam as ATMs, desde  que administrado por profissionais capacitados para um correto diagnóstico e para os procedimentos operatórios que envolvem o uso dessa técnica.”

 

O documento foi entregue ao presidente do Conselho Federal de Odontologia (CFO) e será analisado.

Para ver a notícia na íntegra, clique aqui.

Neste meio tempo também recebi por email um artigo sobre a viscossuplementação escrito pelos colegas Daniel Bonotto, Eduardo Machado, Rafael e Paulo Cunali e publicado na Revista Dor. Neste artigo a técnica foi utilizada em pacientes com deslocamento de disco sem redução e/ou osteoartrite. Segue resumo:

Viscossuplementação como tratamento das alterações internas da articulação temporomandibular: estudo retrospectivo

JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS:

As formas de tratamento consideradas não invasivas para as alterações internas das articulações temporomandibulares descritas na literatura são muitas, incluindo aconselhamento, farmacoterapia, fisioterapia e dispositivos interoclusais. No entanto, alguns pacientes tornamse refratários aos tratamentos conservadores, sendo indicados procedimentos como artrocentese, artroscopia e cirurgias das articulações temporomandibulares. A viscossuplementação é uma abordagem pouco invasiva, de baixo custo e com bons resultados em curto e médio prazo. O objetivo deste estudo foi discutir a viscossuplementação no tratamento das alterações internas da articulação temporomandibular com os resultados depois de quatro meses de acompanhamento.

MÉTODOS:

Cinquenta e cinco pacientes com deslocamento de disco com redução, deslocamento de disco sem redução e osteoartrite refratários a tratamentos conservadores foram submetidos a infiltração com hialuronato de sódio. Foi observada melhora estatisticamente significativa para dor nos três grupos.

RESULTADOS:

Pacientes com deslocamento de disco sem redução e osteoartrite apresentaram aumento significativo da abertura bucal. Estes resultados se mantiveram constantes ao longo dos quatro meses de acompanhamento.

CONCLUSÃO:

A viscossuplementação com hialuronato de sódio pode ser considerada uma boa alternativa no reestabelecimento funcional da articulação temporomandibular em curto prazo em pacientes com alterações internas refratárias a tratamentos conservadores.

Palavras-Chave: Ácido hialurônico; Articulação temporomandibular; Tratamento

Para ler o artigo na íntegra e baixar sua versão em PDF, clique aqui!

Valeu Cunali pelo envio! 🙂