Site Bacana

Antigamente havia uma sessão aqui no blog chamada Site do Mês.

Mas como deixei de atualizar sempre, perdeu um pouco o sentido. Assim, quando eu ver algo interessante, vou chamar de Site Bacana.

O Site Bacana de hoje é o Pesquisa em Dor. Este foi fundado por um grupo de pesquisadores que incluem fisioterapeutas, psicólogos, físicos, entre outros e é um local muito bacana para buscar informações que podem contribuir para o atendimento clínico ao paciente com dor. O lema é “entender para modificar a dor” e é algo que acho fundamental.

pesquisa em dor.001

No dia dia do consultório percebo o quanto explicar ao paciente detalhadamente os motivos pelo qual ele está percebendo dor, baseado na neurofisiologia, numa linguagem simples porém nem por isso incompleta, faz a diferença.

As sessões do site incluem o blog, onde você pode ler recentes resultados de pesquisa sobre dor, área para os pacientes e área para profissionais.

Na área de pacientes as explicações aparecem de forma lúdica e didática, o que atiça a curiosidade e facilita o entendimento. Veja por exemplo Caminho da Recuperação.

A área para profissionais reunem ferramentas que podemos utilizar na nossa rotina clínica (inclusive a escala de cinesiofobia que já falamos aqui), manual para utilizar o caminho da recuperação com seu paciente e algo que acho essencial: estratégias para educar seu paciente com relação a dor.

Não deixem de visitar o site!

Aproveite e leia também sobre o site Pain in Motion.

 

 

Auto manejo no Tratamento da DTM

Estou de volta!
Hoje estou no Congresso Brasileiro de Cefaleia onde acontece também o Congresso do Comitê de Dor Orofacial da SBCe.
Neste momento o professor Wagner de Oliveira enfatizou a importância das orientações aos pacientes com DTM para o sucesso da terapia que realizaremos.
De fato, no último Congresso Mundial de Dor da IASP ouvi bastante sobre a importância de passar corretamente as orientações, como realizar de forma efetiva a comunicação entre profissional e paciente e como o auto manejo pode auxiliar na terapia dos pacientes com dor crônica.
Mas se formos a literatura procurar sobre estes métodos de auto manejo, encontraremos diversas informações e forma de se realizar isso.
Dia 11/10/2016 for publicado no Journal Oral Rehabilitation um trabalho bem bacana sobre este assunto. A ideia foi padronizar, entre alguns professores de renome na área, quais seriam estas orientações a serem repassadas aos pacientes para controle da dor por DTM.
Os pesquisadores selecionados para isso foram: Lene Baad Hansen (Dinamarca), Justin Durham (Reino Unido), Maher Al-Baghdadi (Iraque), Jean Paul Goulet (França), Matthew Breckons (Reino Unido), Frank Lobbezoo (Holanda), Thomas List (Suécia), Don Nixdorf (EUA), Ambra Michelotti (Itália) entre outros.
(Profa. Ambra Michelotti estará no Brasil ano que vem durante o III Congresso Brasileiro de Dor Orofacial da SBDOF, que será realizado nos dias 2 e 3 de junho em SP, no Hotel Maksoud Plaza. Serão 3 palestras dela e ela me disse que está animadíssima! Não vai perder!)
captura-de-tela-2016-10-14-as-11-23-08
Voltando ao assunto, os objetivos do trabalho foram construir definições operacionais para o auto manejo no tratamento da DTM, identificar estes componentes para o auto manejo, criar então um esquema claro para isso.
Todo o trabalho e discussão gerou uma tabela que está no artigo completo (não tenho autorização para reproduzir aqui) e engloba:
  •  Educação
  • Terapia com exercícios mandibulares
  •  Termoterapia
  • Auto massagem
  •  Dieta e nutrição
  •  Evitar comportamentos parafuncionais
Dentre estes temas, muitos já conhecemos, mas quero chamar a atenção para Dieta e Nutrição.
Antes sempre falamos sobre “Dieta Macia”, ou seja, com alimentos pastosos, líquidos e que evitem mastigação. Entretanto, este tipo de orientação traz problemas, sobretudo pela adoção a longo prazo e por não estimular a reabilitação.
A proposta deste trabalho é substituir esta orientação pela orientação para “dieta livre de dor”. Parece bobagem mas isso faz uma grande diferença na reação do paciente, na fobia em movimentação, na dor.
Além disso, é possível acompanhar o progresso do paciente com relação ao retorno de sua função.
O artigo refere que na Temporomandibular Joint Association, associação americana voltada a pacientes, existe um guia de nutrição, recentemente lançado. Na página da TMJ Association é possível realizar o download deste guia no formato ebook. Visitem a página! http://www.tmj.org/site/page?pageId=318
Assim que o trabalho for disponibilizado no Research Gate, ou outro local gratuito, colocarei aqui.
Para quem se interessar em ler, entre em contato!