Infiltrações em pontos gatilho

Já disse aqui que nem sempre há tempo de ler tudo o que gostaríamos. Hoje consegui dar uma olhada em um artigo publicado na revista Headache ano passado que relata o padrão de uso de infiltrações em ramos nervosos periféricos e pontos gatilho pelos médicos cefaliatras dos Estados Unidos.

Pela internet os autores enviaram um questionário com 17 perguntas a 1230 médicos associados a American Headache Society sobre o uso destes procedimentos.

O uso de procedimentos de infiltração em pontos gatilho ou mesmo agulhamento seco é também comum no tratamento da dor miofascial mastigatória, assim, achei interessante relatar aqui os resultados desta pesquisa.

A princípio foi destacado o porquê da infiltração dos pontos gatilhos. Como foram questionados médicos cefaliatras, claro que a indicação do procedimento esteve relacionado à presença de uma cefaleia. De fato, 81,7% das indicações foram para pacientes com cefaleia tipo tensional crônica e 67,7% em pacientes com migrânea crônica.

Para localizar os pontos gatilhos, os médicos utilizaram a palpação na musculatura em espasmo e dolorida.

E quanto às susbtâncias injetadas?

Anestésicos locais sem vasoconstritor foram os mais utilizados, e entre eles, a lidocaína e bupivacaína. Quando utilizados corticóides, foram selecionados dexametasona, metilprednisolona e triamcinolona em volumes que variaram de 0.5 a 4 mL. A taxa entre anestésico/corticóide é 2/1 ou 3/1.

O artigo: Blumenfeld A, Ashkenazi A, Grosberg B, Napchan U, Narouze S, Nett B, DePalma T, Rosenthal B, Tepper S, Lipton RB. Patterns of Use of Peripheral Nerve Blocks and Trigger Point Injections Among Headache Practitioners in the USA: Results of the American Headache Society Interventional Procedure Survey (AHS-IPS) Headache. 2010 Jun;50(6):937-42.

Fiquei curiosa em saber como o cirurgião dentista faz a indicação e o que ele usa para abordar este ponto gatilho em musculatura mastigatória.

Que tal vocês responderem a uma enquete rapidinha?

Vou manter por uns 15 dias esta votação e depois publico os resultados! :-)

Falando nisso…

Ano passado também foi publicado no Journal Orofacial Pain um estudo clínico randomizado que demonstrou da técnica de agulhamento seco em masseter no limiar de dor à pressão (LDP) e amplitude de abertura bucal comparado com um falso agulhamento.

A amostra consistiu de 22 mulheres com dor miosfascial em masseter. Os resultados indicaram melhora significativa com relação ao LDP e abertura bucal em quem foi submetido ao agulhamento ativo.

E é o que observamos na clínica e no bate papo com amigos, parece que o uso do agulhamento seco é bem promisssor.

Resta surgirem mais estudos que comparem as técnicas de agulhamento em pontos gatilho, com ou sem infiltração de substâncias (anestésicos, corticóides, toxina botulínica) com acompanhamento a longo prazo! :-)

Abaixo um vídeo que encontrei no You Tube sobre agulhamento seco. Reparem como o profissional identifica o ponto gatilho.

Abraços a todos!