Neuralgia do trigêmeo

A primeira coisa que fiz antes de começar este texto foi checar se eu ainda não havia escrito sobre neuralgia do trigêmeo aqui no blog. E eu mesma me assustei ao ver que ainda não!

Por que isso? Bem, toda vez que começo uma aula sobre dor neuropática, após as explicações básicas (neuroanatomia, definição, fisiopatologia geral, etc), eu coloco um caso clínico. Este sempre é (atenção futura plateia) um caso de neuralgia do trigêmeo. Afinal, quero começar com algo mais familiar ao cirurgião dentista e, penso que  a maioria deve já conhecer a condição clínica.

Mas, o que acontece, A MAIORIA dos cirurgiões dentistas NÃO reconhece esta dor neuropática!

E fico triste e até um pouco brava. Primeiro porque esta é a dor orofacial descrita há mais tempo no mundo (há uma descrição na Bíblia!), segundo porque os pacientes com neuralgia do trigêmeo sofrem muito até receberem o diagnóstico e o que mais acontece é a exodontia de dentes, ou a privação do uso de próteses, enfim, procedimentos odontológicos sem diagnóstico correto.

Ainda, é incrível o número de pessoas (pacientes ou dentistas) que descrevem qualquer dor forte como neuralgia do trigêmeo, quando na verdade, não há o diagnóstico.

O que acho que está acontecendo? Falta de preparo na graduação. Pelo número de procedimentos odontológicos realizados de forma iatrogênica em pacientes com esta condição, acho que esta merecia destaque na grade curricular. Espero que com a divulgação maior da especialidade este quadro se reverta.

Nesta mesma aula há um texto de 2005 do Prof. Siqueira, profissional de quem tenho o maior respeito pela sua luta pela divulgação das dores orofaciais, do qual destaco um trecho (texto integral aqui):

“Segundo o especialista em dor orofacial do Hospital das Clínicas, da Faculdade de Medicina de USP, José T. Siqueira, de cada 100 mil habitantes, quatro apresentam a síndrome. As crises, em 74% dos casos, ocorrem na boca, levando à extração desnecessária de dentes, entre outros procedimentos cirúrgicos que resultam no aumento da dor e do sofrimento do doente.
Pacientes perdem dentes, fazem próteses e, depois, descobrem que não conseguem usá-las, pois desencadeiam a temível dor do “trigêmeo”, alertou Siqueira.
O desconhecimento da enfermidade por parte dos profissionais da saúde, da área médica e da população retarda o diagnóstico da doença, aumentando o sofrimento dos doentes. O tratamento da neuralgia trigeminal é longo e exige acompanhamento de equipes treinadas. Em muitos casos, explicou o especialista, a neurocirurgia pode ser indicada.”

Toda vez que falo ou escrevo sobre este assunto me lembro de um caso, lá no Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto. Um senhor estava internado com este quadro. subi para visitá-lo e ao saber que eu era dentista, logo pegou o par de prótese total que descansava no copo na mesa ao lado da cama. Me disse com tristeza: “Não consigo usar doutora. Fui a uma escola de odontologia aqui e por culpa da dor, extraíram meus dentes e fizeram esta dentadura. Mas agora não consigo usar”.

A tristeza dele não sai da minha memória. O diagnóstico dele? Neuralgia do trigêmeo, secundária a um tumor benigno, localizado próximo ao gânglio de Gasser.

Motivada por este caso, fiz um trabalho que publicamos na revista da ABO, onde revisei os prontuários do hospital para verificar as características destes pacientes. Com relação aos fatores de desencadeamento da dor, a mastigação dominava as queixas, com 47,2% dos casos. Não é estranho então que muitos pacientes procurem o cirurgião dentista no primeiro atendimento!

Então, na missão de divulgar as dores orofaciais, seguem abaixo algumas características da neuralgia do trigêmeo!

A neuralgia do trigêmeo está classificada pela Classificação Internacional das Cefaleias no item 13. É subdividida em neuralgia clássica do trigêmeo e neuralgia trigeminal sintomática.


 

Resumidamente:

  • Dor unilateral, forte na face, tipo “choque elétrico” (lancinante).
  • Segundo e terceiro ramos do trigêmeo são mais comumente afetadas
  • Idade comum: sexta e sétima décadas de vida.
  • Mulheres ligeiramente mais afetadas do que homens (3:2)
  • Dor é estimulada, dura de segundos a no máximo 2 minutos. Várias crises durante o dia podem ocorrer.
  • Zona gatilho: área da qual a dor é ativada. Assim, pode mimetizar uma odontalgia.
  • Bloqueio anestésico na zona gatilho alívia os disparos de dor.
  • Fisiopatologia da Neuralgia Clássica do Trigêmeo (NCT): compressão vascular do nervo trigêmeo com desintegração da bainha de mielina com desmielinização – processo degenerativo progressivo. Das sintomáticas: neoplasias, infecções, traumas, esclerose múltipla, por exemplo.
  • Tratamento de primeira escolha: medicamentoso, com anticonvulsivantes (Carbamazepina, oxcarbamazepina…)

Enfim, é isso! Bom final de semana a todos!

 

37 thoughts on “Neuralgia do trigêmeo

  1. Ótimo post, Juliana. Parabéns!!!
    Também conheço casos de pacientes que tiveram dentes tratados endodonticamente e/ou extraídos por falta de um diagnóstico correto de neuralgia.
    Além disso, talvez por morar no sul e por causa do clima mais frio, temos uma incidência relativamente alta de sinusites confundindo com odontalgias, o que tbem leva a diagnósticos equivocados e tratamentos idem.
    Fica a dica do tema.
    Abraço

  2. Boa Tarde!
    Gostei muito deste tema! Tivemos um caso há alguns meses e o paciente também tinha sofrido uma exodontia na tentativa de aliviar as dores. Depois de uma anamnese bem completa o diagnóstico foi de Neuralgia do Trigêmeo e partimos para o tratamento. Depois de algumas consultas o paciente não relatava mais a dor.
    Realmente o diagnóstico não é fácil e o tratamento tem tempo médio de duração.
    Como disse o Evandro, algumas vezes temos casos de dor oriunda de sinusite sendo confundida com dor odontogênica. Com isso gostaria de ressaltar a importância da anamnese.
    Abraços a todos!

  3. Pingback: Odontalgia não odontogênica: cefaleia primária « Por dentro da Dor Orofacial

  4. Tenho,36 anos e sofro muito com Neuralgia do trigêmeo e tenho 4 filho e um marido nada Compreensivo então o sofrimento é maior: se não fosse Deus ja tinha me jogado debaixo de um carrro.

  5. gostaria de acrescentar q ha um medicamento muito eficaz q e; o topiramato, eu tomei a carbamazepina e nao obtive sucesso , mas com o topiramato tive 100 porcento de sucesso . embora muitos neuros no brasil nao usam receitar ele , me receitarao em londres 1 vez

    • Olá Silvana! O topiramato é um bloqueador de canal de sódio e sendo assim pode ser utilizado nas neuralgias, bem como outros bloqueadores. Mas devemos esclarecer sempre que o tratamento é individualizado. A droga que funciona em um maior número de pessoas é a carbamazepina e depois a oxcarbamazepina. As demais são utilizadas quando exatamente não há sucesso com estas medicações. Cada caso é um caso quando se trata de dor! Abraços e obrigada pela visita!

  6. Boa noite, Meu nome é Anali, tenho 36 anos e ui diagnosticada com nevralgia do trigemeo a 1 semana, apos ter feito 2 tratamentos de sinusite diferentes e como é de se esperar sem resultado. A questão é: estou tomando carbamazepina a 1 semana e tenho tido crises frequentes de dor, quanto tempo leva para o medicamento fazer efeito? existe outra coisa para aliviar as dores?

    Grata!!!!

    • Anali,
      Normalmente a carbamazepina leva 14 dias para atingir um efeito bom. Mas veja bem, isso varia muito entre paciente e paciente. Sugiro que você entre em contato com seu médico.
      Abraços

    • O meu melhorou na mesma hora mas tive neuralgia frava tomei 1 ano tegretol de 100mg, hj qdo volta os sintomas tomo 300mg de vitamina B1 Fale com seu medico a respeito , pq conheço outras pessoas q fazem o mesmo para evitar q a crise volte.
      espero ter ajudado.

  7. Em mim as dores começaram em um dente com um bloco grande. Começaram dores normais que desapareciam com intervalos de alguns dias. Em seguida apareceram pequenos choques na lingua. Em seguida apareram choques assustadores, que nos meus 60 anos nunca havia sentido. Passei por 5 dentistas e nenhum sabia me explicar o que estava acontecendo. Se pudesse explicar graficamente as dores diria que pareciam fogos de artifício, daqueles que soltam fagulhas para todos os lados ou mesmo raios nas tempestades que se partem em vários ramos. Os intervalos variavam desde um rítmo das luzes de uma aeronave nos céus até o rítmo de uma metralhadora. O que não mudava era sempre em forma de choques. Doía, doía muito. Descobri o que era, conversando com uma sobrinha. Procurei então um neurologista. Começei com 200 de carbamazepina ao dia, hoje estou tomando 1.200. Penso em procurar um neurocirurgião. Um bom site para entender a neuralgia é o do Dr. Drauzio Varela.

    http://drauziovarella.com.br/?s=neuralgia+do+trigemeo

    Espero ter ajudado.

  8. Olá! Meu nome é Vanessa Queiroz. Eu sou uma dessas pacientes que foi diagnosticada erroneamente. Tenho essas dores a 4 anos e a primeira vez que me deu, garantiram que era o ciso e eu acabei por extrair os 4, e no final não era isso. Fui descobrir agora, depois de 1 ano e meio da minha última crise, quando eu tinha ido já a um pronto socorro e um neurologista e ambos me falaram que era uma crise de enxaqueca. Somente nessa última semana (no qual estou tendo de novo) o Neurologista do Pronto Socorro me diagnosticou com Nevralgia do Trigêmio e já fiz a ressonância e estou com consulta marcada para tratar isso, e posso afirmar com toda certeza que essa é a pior dor que já senti. Estou tendo crises constantes e os remédios que estou tomando não estão fazendo efeito.

    Bom é isso.
    Atenciosamente,
    Vanessa Queiroz.

    • Olá Ricardo!
      Causar nao. O que acontece é que pela dor por neuralgia do trigemeo, o paciente acaba tendo os seus dentes extraídos ou tratados de outra forma para melhorar a dor, o que nao acontece já que a causa da dor nao era dentária.
      O tratamento odontológico pode desencadear outros tipos de dor neuropática como a odontalgia atípica.
      Abraços

  9. ola sou elisangela…minha mae esta cm uma forte dor na face e o medico daki do japao falou que essa dor vem da nivralgina dos trigemeos ela esta tomando todos os tipos de remedio mais cada dia que passa vem aumentando mais essa dor mesmo ela tomando os medicamentos certinhos….queria pedir sua ajuda para mim poder ajudar ela nao aguento ver ela assim mais….e os remedios q o medico passou pra ela e pras pessoas que tem apilipicia…nao aguento mais ver ela assim todo dia ela chora de dor e choquinhos na q da na face….estou pedindo ajudem ela por favor

    • Elisângela, a neuralgia do trigêmeo algumas vezes é de difícil controle. O ideal é você manter contato com seu médico e explicar a ele o que está acontecendo. Os médicos podem aumentar a dosagem do medicamento, adicionar um outro remédio e até mesmo trocar, mas só o neurologista que a acompanha poderá prestar este atendimento pois precisa ser presencial e prestado por médico neurologista. Abraços

  10. Boa tarde, meu sou Marco Santos, levei seis meses investigando e tratando sinusite e exames de arcada dentária até que foi diagnósticada a neuvragia do nervo trigêmio passei a tratar com a carmamazepina (tegretol), ja na segunda dose obtive resposta porém tove que parar com o tratamento devido ao diagnostico de alergia a carmamazepina e agora estou como a combinação de de Amato mais vitamina B1 a 2 semanas ainda sem o resultado desejado.

  11. Olá Juliana, passei 4 anos com crises muito fortes de trigêmeo e não conseguia um diagnóstico da minha dentista com relação àquela dor. Até que em certo periodo a dor ficou incontrolável e insuportável. Eu tinha crises 24 h por dia, não dormia e não comia a mais de 3 meses. Até que cedi e autorizei minha dentista a abrir o dente. Tive uma crise no consultório e só então ela identificou como trigêmeo. Naquele dia fui ao pronto socorro Neurológico, voltei para casa, na manha seguinte estava lá de novo sendo medicada, e assim foi por uns 3 dias, até que resolveram me internar para realização dos exames e controle da dor ( coisa que não aconteceu). Fiquei internada 3 dias e meu caso era uma compressão do nervo trigêmeo por uma artéria cerebral, que por conta do anticoncepcional que eu estava tomando, dilatou os nervos e artérias e intensificou a dor. Fui operada em Curitiba, no INC, com uma cirurgia de base de crânio. No meu caso apenas isso resolveria, nenhum outro remédio. Como meu caso foi muito extremo, consegui atendimento rápido. Mas vejo que as dificuldades das pessoas são muitas:
    – Erro de diagnóstico ou demora
    – Tratamento errado ( cheguei a comprar 6 caixas de Carbamazepina que não usei pq ela jamais resolveria a dor, só a cirurgia)
    – Encontrar profissionais para tratar esse problema: Os médicos hoje só conhecem esses remédios, citados pelas pessoas acima, não se especializam mais para saber como tratar, quais os casos de cirurgia, quem está em sofrimento profundo por causa dessa dor que é incapacitante.

    A Neuralgia do Nervo Trigêmeo é a doença com maior índice de suicídio, passando de todo e qualquer outro transtorno. E precisamos ouvir de médicos e governo que esta não é uma doença que oferece riscos a vida do paciente. Claro que oferce, não a doença em sí, mas todos os transtornos que ela pode causar.

    Eu tinha 60 kg antes de começar a sentir as dores. No ultimo mês antes da cirurgia estava pesando 43 kg, e tenho 1,70. Fiquei extremamente debilitada, só conseguia comer mamão e abacate, bem amassadinhos. Além disso pensava diversas vezes em me jogar da janela para acabar com aquela dor.

    Hoje muitas pessoas que procuram atendimento aqui na cidade reclamam do atendimento e de achar profissionais que tratem desta donça, eu não tenho a reclamar, mas sei que se a pessoa não chegar lá morrendo eles não vão ajudar.

  12. Olá Juliana!
    Uma pessoa diagnosticada com neuralgia do trigemeo ( com dores no lado direito da face), em uso de carbamazepina e com relativo controle da dor ( por ainda apresentar episódios esporádicos de dor) e que apresenta necessidade de exodontias (tanto no lado direito quanto do lado esquerdo superior), pode ter sua dor exacerbada por conta do procedimento de exodontia?
    Há também a possibilidade de o paciente ter sido diagnosticado com neuralgia do trigemeo por neurologista sem antes ter sido avaliado por um dentista, o qual poderia descartar cistos e abcessos? Ou a dor Quando neuralgia é completamente diferente de dor de origem periapical e a carbamazepina não teria efeito?
    Obrigada
    Heloisa

    • Bom dia Heloisa! Primeiro a resposta a sua dúvida. Se necessário procedimentos odontológicos o paciente com neuralgia do trigêmeo controlado com carbamazepina pode sim receb6e-los desde que seja observado o seguinte: primeiro analgesia pré emptiva (prescrição de antinflamatórios ou mesmo do anticonvulsivante antes do procedimento). Isso visa proteger o paciente de dor pós operatória. Segundo: anestesia sempre! Com relação à qualidade da dor, a neuralgia do trigêmeo é sim bem diferente das dores periapicais. Dor forte, em choques elétricos ou pontadas, durando de segundos a 2 minutos cada crise. Abraços

      • Olá Juliana,
        Obrigada pela resposta.
        Quanto a anestesia local (bloqueio) alguma orientação / consideração?
        Não encontrei trabalho que discorra sobre a realização de procedimentos em portadores de neuralgia do trigemeo.
        Heloisa

  13. eu sou o exemplo vivo desses dentistas que nao sabem disso cada vez que ia a um extraia um dente ou tratava-se um canal e a dor nao passava precisei procurar na internete e descobrir que a dor que eu sentia era a neuragia do trigemeo .maximira

  14. Dr. sou Luciana,moro na bahia descobri que tenho NEURALGIA TRIGEMINAL que, foi diagnosticado em abril dete ano,é triste ter que viver com essa doença.mas estou lutando e vou vencer,porque DEUS É VITÓRIA.

  15. sou luciana minha dor e mais forte no nariz e tomo tegretol de 400g ao dia mas ainda apresenta de vez em quando dores,já estou na 5 caixa,será que vou tomar muito remedio..

  16. Dr. eu preciso procurar um Cardiologista,Endroqinologista, e fazer pilates é bom,eu pesava 80 kg. hoje estou pesando 70 kg.eu começei com o problema no final de março,e já perdi 10 kg. já falei com meu NEUROLOGISTA E ELE DISSE QUE OS REMÉDIOS FAZEM ENGORDAR,EU ESTOU EMAGRECENDO.ESTOU PREOCUPADA.Será que é normal.mim de uma opinião.LUCIANA.

  17. Olá Juliana, adorei seu texto, minha mãe passa por este problema, passamos por diversos médicos e dentistas, até descobrir o seu problema, as crises de dor são insuportáveis, ela não conseguia, comer, beber agua, nem usar a prótese. Foi um dentista especialista em dor que diagnosticou o caso, graças a ele, minha mãe esta tomando carbamazepina,1200 mg por dia, mas em consequência desta medicação, ela por ser idosa teve efeitos colaterais como perda de cabelo, dificuldade de andar, devido a alta dosagem, tonteira, alucinações, mas tem ajudado a controlar a dor.

  18. Sinto dores nos dentes superiores do lado direito há muitos anos, são agulhadas do lado direito (não tem um lugar especifico). Após fazer o canal do segundo molar e depois de outros dois e a dor não passava. Retirei o siso incluso. A dor continuou, e vem só piorando nos últimos anos.Sinto vontade de apertar, então doí que eu até não conseguia apertar mais, agora controlo constante a vontade de apertar os dentes. Com o tempo a dor foi piorando. Um dentista pediu que tirasse os outros sisos. Do lado direito inferior, fiquei com uma leve parestesia e também na língua, as vezes, umas fisgadas. A dor vem piorando, principalmente no final da tarde e na TPM. Não sei a quem procurar, os dentista que procuro desgastam um pouco os dentes, tiram o Raio- X e não conseguem uma responta para esta dor. O que você acha que pode ser?

  19. Tbém tem neuragia do trigêmio e depois de procurar 10 dentistas diferentes, tratar canal sem ter nada e depois extrair um dente, uma dentista se interessou pelo meu caso e procurou um colega que disse pra eu procurar um neurologista. foi confirmado, trato com gabapentina e amitriptilina, mas ñ vejo mto resultado. Já procurei dois neuros, mas eles parecem ñ ter muita paciência em me ouvir…é isso aí. Obrigada Pelos esclarecimento que vi aqui.

  20. Bem…meu depoimento é grande pq provém de muito sofrimento mais também de esclarecimento. Em 2001 comecei com uma forte dor na cabeça e face unilateral ( lado esquerdo ) ela atingia a região do olho, face ( bochecha ) e na mandíbula e ouvido. Um dor que tbém vinha da cabeça e trazia desconforto atrás do pescoço como se fosse um torcicolo, porem a dor gatilho que inradiava tudo qdo tocava era um dente que na época havia quebrado e esperava para tratamento de canal e de bloco. Quando passava o dedo por dentro da boca, perto do dente, era como um fio desencapado o rosto tinha sinais de choque o ouvido doía e tudo do lado apenas esquerdo onde estava o tal dente. Paguei carissimo pela extração, pq por desconhecimento do dentista na época numa clinica super conceituada do Rio me disseram que estava com um problema ondontológico e com a retirada do dente tudo melhoria. Aguardei os dias para restabelecimento e alguns dias depois estava lá a dor, desta vez passava o dedo na região onde já não existia mais o dente retirado e a dor era a mesma e eu me perguntava mais como pode se não tenho mais o dente? 1 ano de dores intensas, idas a várias especialidades não havia diagnóstico p/dizer é isso é aquilo, apenas suposições e a descoberta veio eu lendo um artigo onde se falava do trigêmeo, procurei no computador e logo associei a minha dor e procurei o neuro-cirurgião, estava com 37 anos, mas meu caso era extremo, porque atingia os 3 ramos do trigemeo, o meu caso foi devido a uma artéria que comprimia os 3 ramos, não houve remédio que desse jeito. Depois de vários remédios. Operei o cranio chamavam operação “céu aberto” onde eles colocam uma prótese separando da onde sai os nervos da artéria. Após 1 ano depois a parte que ligava ao movimento dos olhos ainda doiam muito, a face pouco menos e apenas a parte da mandíbula havia cedido a dor, parti p/ uma 2º operação que era introduzir o cateter pela boca e ir até o glânglio de gasser da onde parte os nervos vamos assim dizer e inflar os nervos, pois a espera do resultado seria adormecer os nervos e cessar a dor de vez, como toda operação que não tinha total garantia e tbém seus riscos, voltei da cirurgia com parestesia facial ( tipo que paralisa o rosto por dentro da boca e por fora do rosto ) note bem: só a metade da boca no qual foi operada é paralisada, mas sem deformações nenhuma no rosto e sai com pouca visibilidade do olho esquerdo, olho seco e ficou assim.Hoje por causa da parestesia ( no qual faço tratamento com remédio ) colírios p/ o olho a dor passou ainda me aparece esporadicamente, ninguém soube explicar, mas as sequelas deixadas pela 2ª operação foi de responsabilidade minha porque na época era experimental, mas quero dizer amigos da “DOR DA NEURALGIA DO TRIGEMEO” façam seus tratamentos, investigue tratamentos atuais, vá a fonte certa, pois hj há muitos mais recursos e se precisar de operar NÃO HESITE EM FAZER, meu caso foi atípico diferente, pois tinha problema nos 3 ramos do nervo, pode ser seu caso ou não! Ficou difícil resolver isso em uma operação só e deixei muito o tempo passar pela falta de conhecimento dos médicos, mas podemos combater esse mal com conhecimento e tecnologia. Boa sorte, paciência e determinação necessitará dela e atenção cada caso é um caso. Abraços.

  21. tenho fisgada na líndua qdo vem a dor, isso é neuraga do trigemeo? Além de outros sintomas. Um neuroligista afirma que sim outro afirma que não. Não sei o que fazer.

  22. Pingback: Dor facial: vídeo aula | Por dentro da Dor Orofacial

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s